E-mail: [email protected]   |   Telefone: (41) 99521-8611

Suporte 24/7

Ex-CEO do Google diz que ainda não sabemos exatamente o que é o metaverso. E você?
14 de julho de 2022

Vou lhe fazer uma pergunta que provavelmente alguém já fez ou até mesmo você se fez nos últimos meses: o que você sabe sobre o metaverso?

Se você responder sem pensar muito e tiver certeza do que é e de todas as suas funcionalidades, parabéns! Você provavelmente não está no grupo de 60% dos entrevistados em uma pesquisa recente da Axios que respondeu não estar familiarizado com a ideia de metaverso. O mesmo vale para especialistas.

O ex-CEO do Google, Eric Schmidt, afirmou que não sabe o que é exatamente o metaverso e suas implicações para o mundo real. Em uma palestra no Aspen Ideas Festival em Aspen, Colorado (EUA), ele afirmou que “não existe um acordo sobre o que é o metaverso”, pelo menos por enquanto.

Ainda de acordo com a pesquisa da Axios, apenas 7% dos entrevistados responderam que se sentem empolgados em interagir com outras pessoas e marcas no mundo virtual, como jogar, participar de eventos, viajar, fazer compras e criar seu próprio mundo.

Metaverso: um conceito indefinido

Levando em conta a quantidade de possibilidades mencionadas e o burburinho criado especialmente pelo Facebook (que após um rebranding se chama Meta desde outubro de 2021), os amantes de tecnologia não deveriam estar animados com o novo mundo que todos podem experimentar nos tempos atuais?

Essa é outra pergunta difícil. O metaverso é visto como uma revolução no mundo digital e marcas como Coca-Cola, Gucci, Disney e J.P. Morgan vêm investindo milhões (ou bilhões) para surfar na onda da realidade virtual. Em janeiro, a Microsoft anunciou seus planos de adquirir a empresa de jogos Activision Blizzard, esperando que a expertise da empresa “forneça as bases para a construção do metaverso”.

Fonte: Microsoft

Isso corrobora com a opinião de Schmidt sobre as primeiras interações com o metaverso, que ele acha que serão jogos e moedas digitais. Empresas investiram mais de USD$ 500 milhões em vendas de imóveis no metaverso em 2021, mas, para Schmidt, esse será um investimento que valerá a pena apenas em um futuro distante.

Todo o conceito de metaverso parece bem interessante, quando consideramos que todo um novo mundo de possibilidades está ganhando vida. No entanto, é importante notar que ele também é muito intangível, onde interagimos com coisas que não estão fisicamente próximas de nós ou nunca existiram no mundo real.

Um dos problemas de lidar com coisas intangíveis é que algumas pessoas podem não se sentir cem por cento seguras ou confiantes com isso. Os números da pesquisa da Axios também podem estar refletindo isso. O outro ponto é que o conceito principal de metaverso ainda é um paradoxo e bastante indefinido. É algo que não podemos tocar e as empresas têm abordagens diferentes para isso.

Se até o ex-CEO de uma das maiores empresas de tecnologia do planeta tem dúvidas, os não-especialistas podem ficar muito mais confusos. O metaverso é um jogo? É apenas software? É um monte de recursos de inteligência artificial juntos? Uma rede social? Tudo isso em um só lugar? Ainda é bastante complexo debater a questão.

Distanciamento social e o hype do metaverso

Mencionamos neste artigo que o metaverso não é uma ideia lançada em 2021. Ele vem se juntando à nossa realidade à medida que a tecnologia evolui. O Second Life, por exemplo, foi lançado em 2003 com uma ideia semelhante. Ele viu um rápido crescimento nos primeiros anos, mas acabou se tornando apenas mais um espaço virtual. Ele não transformou ou revolucionou a forma como interagimos online.

Quando pensamos no burburinho recente que o conceito de metaverso obteve, há algo que podemos analisar mais profundamente: o momento que estávamos vivendo. No final de 2021, estávamos prestes a encerrar nosso segundo ano de pandemia do Covid-19. Nesse período, o mundo passou por muitas transformações muito rapidamente.

O distanciamento social fez com que pessoas e empresas interagissem quase que exclusivamente pela internet. O uso de redes sociais disparou, assim como as webconferências e reuniões. O Facebook foi um dos pioneiros em trazer a ideia do metaverso para o público e torná-lo o hype que é, levando outras empresas a mergulharem nele também.

Coincidência ou não, o ambiente tecnológico em 2021 era um que tendia a ajudar pessoas a desfrutar de novas formas de interações virtuais. Viver o distanciamento social com novas possibilidades de interagir virtualmente com os outros parecia incrível.

Com o passar do tempo, o mundo começou a sair e voltar aos escritórios. A ideia principal por trás do metaverso permaneceu e ganhou mais visibilidade, mesmo em filmes, mas não foi possível ver uma evolução consistente em termos de definições e clareza sobre o que ele realmente é ou como isso se conecta ao nosso cotidiano.

Uma hipótese é que o termo e todo o conceito de metaverso surgiram sem serem completamente desenvolvidos — ou não claros o suficiente para passar credibilidade. A pandemia pode ter dado um impulso à tendência como uma nova forma de interação, se apressando para lançá-la, mas as coisas começaram a voltar ao normal e as pessoas já estavam cansadas do distanciamento físico.

A impalpabilidade do metaverso, somada à vontade de tocar as pessoas e as coisas novamente agora com a reabertura, podem nos ajudar a entender por que ele ainda não se tornou parte de tantas vidas.

A ideia do metaverso precisa ser melhor definida

A ideia de criar uma nova realidade, novas formas de interagir com pessoas e empresas e ter tantas possibilidades virtuais parece incrível! No entanto, como o metaverso é algo abstrato, toda a mensagem e o conceito devem ser muito bem trabalhados para melhor ilustrá-lo e mantê-lo mais próximo do público.

O tempo dirá como vamos evoluir para esse novo universo, mas olhando para o que temos até agora, ainda é difícil ver o que o futuro reserva. Se precisarmos voltar para casa por longos períodos de tempo novamente (espero que não), estaremos no meio do caminho para construir novas interações virtuais e, então, há grandes oportunidades para investidores do metaverso.

Enquanto isso, podemos aproveitar o mundo real depois de tanto tempo confinados e usando a internet para compartilhar o que vivemos lá fora.

Não podemos negar que uma nova tendência traz boas oportunidades. Pessoas e empresas que atualmente investem no metaverso têm chances de estar à frente do resto que ainda “vive a vida real”. O simples fato de aprender e se aprofundar em um tema que está ganhando relevância, mas é ainda pouco explorado, é uma vantagem. No entanto, quanto maior o investimento em um cenário incerto, maior será o risco.

Diversas empresas investiram no Second Life na época, abrindo lojas virtuais, promovendo eventos, vendendo produtos virtuais e tendo presença constante lá com seu público. Foi ótimo para as marcas por alguns anos, mas como o mundo virtual não durou muito como uma plataforma popular, podemos nos perguntar se o investimento valeu a pena. Não podemos dizer que todas as ideias atuais do metaverso vão fracassar, mas precisamos olhar para a história e ficarmos atentos.

Altos investimentos de grandes players de tecnologia no metaverso podem ser uma boa desculpa para fazê-lo funcionar e inseri-lo em nossas rotinas. Este é outro ponto: o tempo mostrará o que essas empresas estão fazendo para obter o melhor ROI disso tudo.

The post Ex-CEO do Google diz que ainda não sabemos exatamente o que é o metaverso. E você? appeared first on Rock Content – BR.

Fonte do artigo:

Rock Content – BR

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Leia Também

Postagens relacionadas em nosso Blog sobre Design, SEO, Marketing e Tecnologia.