E-mail: [email protected]   |   Telefone: (41) 99521-8611

Suporte 24/7

Aquisição de 9,2% do Twitter por Musk é uma importante discussão sobre liberdade de expressão
8 de abril de 2022

Fake news, assédio e desinformação sempre existiram, mas com a eclosão das redes sociais, elas ganharam dimensões maiores. Agora, estamos nos perguntando como a internet impacta nossas decisões, boa convivência como sociedade e comportamentos sociais.

O bilionário e proprietário da Tesla, Elon Musk, trouxe esse tópico para a mesa lançando uma enquete em sua conta no Twitter, questionando a plataforma sobre sua promessa em relação à liberdade de expressão. Logo após fazer isso, esta semana, ele comprou quase 10% das ações do Twitter. Curioso, não é mesmo?

Os resultados dessa enquete foram ainda mais interessantes. A maioria dos resultados, 70%, não acha que o Twitter adere corretamente ao princípio da liberdade de expressão. De qualquer forma, é uma pesquisa tendenciosa, pois foi direcionada aos seguidores de Musk — não é de forma alguma baseada em ciência.

Free speech is essential to a functioning democracy.

Do you believe Twitter rigorously adheres to this principle?

— Elon Musk (@elonmusk) March 25, 2022

Durante esta semana, Musk também fez mais tweets polêmicos dizendo que trabalharia para “fazer melhorias significativas no Twitter”, e fez outra enquete, agora perguntando se seus seguidores queriam um botão de edição. Rapidamente, o Twitter disse que Musk não decidirá sobre futuras funcionalidades e que o botão de edição estava sendo desenvolvido muito antes da enquete do bilionário.

O fato é que Musk tem um histórico de reclamar das ferramentas de moderação do Twitter, embora nem mesmo suas postagens antivacinas e “brincadeiras” de mau gosto envolvendo até Hitler não tenham sido deletadas pela plataforma de rede social. Para Musk, por conta das ferramentas de moderação, o novo CEO do Twitter, Parag Agrawal, é comparado a Joseph Stalin, por exemplo.

Culpar o Twitter, o Facebook ou o YouTube (e mesmo as gerações atuais e passadas) por impedir nossa liberdade de expressão é apenas arranhar a superfície de todo o problema. Manipulação, fake news e até censura parecem o café da manhã diário de todo usuário de rede social.

A grande questão é: em quem acreditar? Como podemos aprender a confiar em nosso próprio feed de notícias? E como evitar danos pessoais a partir dele? Neste artigo, discutiremos os mistérios sobre nossa liberdade de expressão e redes sociais nos dias modernos.

E se você quiser receber artigos como este diretamente no seu inbox, assine nossa newsletter interativa aqui embaixo!

Um panorama rápido do cenário político

Um dos primeiros episódios em que as pessoas começaram a falar sobre esse assunto foi com o escândalo da Cambridge Analytica, que mostrou como o Partido Republicano dos EUA estava usando indevidamente dados do Facebook para construir perfis de eleitores nas eleições de 2014.

A reação foi o primeiro indício de como as redes sociais são capazes de moldar comportamentos. E também levou a muitas teorias da conspiração, que perguntavam a mesma coisa: se estamos sendo manipulados pelas redes sociais, temos mesmo liberdade de expressão?

Em outros contextos, líderes políticos, como o presidente brasileiro Jair Bolsonaro, mostraram seu apreço por outras plataformas sociais, como o Telegram, que o tribunal brasileiro queria bloquear. No entanto, outros canais, como YouTube, Twitter e Facebook, rejeitaram Bolsonaro por violar as regras voltadas a evitar a divulgação de desinformação.

Mas nem tudo são más notícias e escândalos. Sim, muitas vezes a rede social foi muito útil em cenários políticos.

Por exemplo, em 2011, o Facebook e o Twitter foram muito úteis para organizar uma revolta contra o governo no Egito. Além disso, na Venezuela (de onde sou), redes sociais são muito importantes para os jornalistas que foram banidos da mídia convencional, como rádio e TV.

E na atual guerra entre Rússia e Ucrânia, o TikTok foi usado por influenciadores ucranianos para compartilhar imagens da guerra quando a mídia convencional não estava fazendo isso. Mas, ao mesmo tempo, a plataforma estava sendo usada para compartilhar muitas notícias falsas sobre a guerra também.

E nós, marcas e profissionais digitais — há espaço para nós nesta conversa?

Mesmo olhando para os dois lados da moeda, fica claro que há muito debate sobre comportamento nas redes sociais e liberdade de expressão (e esse debate vai muito além de uma enquete no Twitter).

Isso é importante para nós, como profissionais digitais. Se um ambiente online não é seguro e não tem credibilidade, você vai comunicar sua marca lá? Como bilhões de pessoas usam as redes sociais todos os dias, é impossível que nossas empresas não estejam lá. Então, também é nosso trabalho garantir um lugar digital saudável para todos, certo?

Recentemente, o LinkedIn bloqueou vagas de emprego exclusivamente para negros e indígenas no Brasil. Muitas empresas grandes protestaram, promotores federais abriram inquéritos e ativistas processaram. Isso fez o LinkedIn rever sua abordagem, o que levou a empresa a mudar sua política para a América Latina.

Ao mesmo tempo, outras plataformas de rede social, como o Facebook, impulsionaram conteúdo agressivo entre seus algoritmos só porque ele tem mais engajamento — e isso fez com que as pessoas consumissem mais anúncios longos. O escândalo resultou em documentos internos publicados na imprensa mostrando, por exemplo, que a empresa não fez nada quando soube que o Instagram poderia ajudar a desenvolver transtornos mentais entre adolescentes. O Facebook decidiu até mudar seu nome para Meta como forma de resolver a crise, como especialistas apontaram.

Esses dois episódios mostram que as plataformas de rede social estão tendo dificuldades para moderar o conteúdo que seus usuários publicam. Elas são empresas e querem ter dinheiro. Isso não é um problema. Mas e suas responsabilidades sociais?

Responsabilidade nas redes

Outra polêmica ocorreu em 2021 durante as eleições nos EUA. O Twitter determinou que os comentários de Trump na plataforma de rede social estavam incitando a violência na capital dos EUA. Mais tarde, sua conta foi banida permanentemente da plataforma.

Não quero fazer uma declaração se foi uma boa decisão remover o perfil de Donald Trump do Twitter ou não. A única coisa que está clara para mim é: o que dizemos nas redes sociais tem um impacto no mundo real. Por essa razão, devemos começar a pensar em responsabilidade.

Algo com o qual precisamos nos preocupar mais é a polarização, que tem sido um grande problema nos últimos anos. Por quê? Porque a polarização realmente tem impacto na democracia, e ela também cria discursos de ódio. O Facebook notou isso e a usou como uma oportunidade de negócio, por exemplo. Mas isso não nos ajuda a pensar de uma forma lógica, mas sim de uma forma muito tendenciosa.

Como eu disse no início, a manipulação sempre existiu, mas com as redes sociais parece que as pessoas têm menos filtros para saber o que é verdadeiro ou confiável.

Combatendo as notícias falsas e o algoritmo

Com as redes sociais, estamos dos dois lados: criamos conteúdo ao mesmo tempo em que o consumimos. Um fenômeno que não aconteceu com a televisão, o cinema ou o rádio, onde alguém falava pelas massas. Agora, as massas falam e consomem — e compartilham (o que faz com que algumas coisas boas se tornem virais, como uma campanha de doação, mas também coisas ruins, como fake news e discursos de ódio).

Nós, como criadores e consumidores de conteúdo, temos uma grande responsabilidade em cuidar do tipo de informação que estamos digerindo todos os dias. Aprender a identificar desinformação e notícias falsas é vital para parar de promover a polarização na internet.

Quer aprender a identificar fake news e desinformação? Aqui estão algumas dicas:

verifique seu viés inconsciente. Notícias falsas tendem a reforçar estereótipos negativos. Então, pergunte a si mesmo: isso está me incomodando porque é verdade? Ou estou apenas sendo tendencioso?se ver muitas palavras incorretas ou erros gramaticais, duvide. A mesma coisa acontece com vídeos ou imagens. Se eles não têm muita qualidade, eles podem não ser verdadeiros.pesquise nas fontes originais: a desinformação também é exagerar os fatos reais.siga especialistas em verificadores de fatos nas redes sociais e suas páginas da web.tome cuidado com conteúdo radical. O mundo real não é um filme onde você tem o bandido e o mocinho. Se você vir algo incitando a violência contra alguém, não aja com violência em resposta. Somos humanos que podem resolver nossos problemas por meio do diálogo.

Mudanças esperadas

Na medida em que a discussão continua, alguns países começaram a debater leis regulatórias para plataformas de rede social. A ideia é ir contra discursos de ódio, crimes em geral e assédio e construir regras para que os serviços moderem esse tipo de conteúdo. Em dezembro passado, por exemplo, o chefe do Instagram, Adam Mosseri, teve que conversar com senadores dos EUA e ouviu deles: “O autopoliciamento depende da confiança, e a confiança se foi”. A Europa também está discutindo o mesmo tema.

Ao mesmo tempo, o cenário começa a mudar. O Pinterest, por exemplo, atualizou suas diretrizes e algoritmo da comunidade para ser mais inclusivo, dar visibilidade às minorias e combater a desinformação sobre as mudanças climáticas. Para as marcas, isso significa que, se quiserem ter maior visibilidade, também terão que pensar em como incluirão essas minorias em suas comunicações.

Mesmo antes de seu escândalo no ano passado, o Facebook já estava tentando estar mais atento a alguns conteúdos sensíveis. Em 2020, durante a pandemia, muitas postagens antivacinas — inclusive feitas por Musk — foram publicadas nas plataformas para assustar as pessoas e impedi-las de tomar suas vacinas. Considerando a viralidade dessas plataformas, isso pode fazer com que muitas pessoas morram e faça a pandemia continuar por mais tempo.

Nesse caso, tanto o Twitter quanto o Instagram, mostraram sinais de alerta toda vez que alguém fez um post sobre covid ou vacinas explicando a importância de se proteger. No ano passado, o Meta (grupo controlador do Facebook e Instagram) admitiu ter derrubado 9,2 milhões de postagens de natureza perturbadora. Isso é suficiente?

Além disso, Twitter e Instagram anunciaram recentemente que estão migrando para feeds cronológicos para evitar que usuários tenham acesso apenas a conteúdos compartilhados em massa — o que tende a trazer mais notícias falsas, discursos de ódio e não dar espaço para minorias. Isso é o começo.

Vale a pena assistir:

Se você gosta deste tema, recomendo assistir Não Olhe Para Cima, que foi indicado ao Oscar em 2022. Neste filme, o diretor Adam McKay traz uma visão interessante sobre como reagimos às redes sociais. Além disso, ele critica a manipulação de todos os tipos feitas por empresas de comunicação.

A internet é um oceano de informações. A discussão sobre liberdade de expressão e sociedade viverá por muito tempo em nossos debates. Cabe a nós manter nossas mentes bem abertas para aprender a usá-la positivamente.

Para profissionais de marketing e do meio digital, a questão é: somos responsáveis ​​por cada conteúdo que criamos e compartilhamos. É nosso trabalho tornar o ambiente digital um lugar onde todos se sintam seguros para se envolver com outras pessoas e marcas. Com um bom conteúdo e menos conflito nas redes sociais, as empresas podem ter mais oportunidades de crescimento.

The post Aquisição de 9,2% do Twitter por Musk é uma importante discussão sobre liberdade de expressão appeared first on Rock Content – BR.

Fonte do artigo:

Rock Content – BR

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Leia Também

Postagens relacionadas em nosso Blog sobre Design, SEO, Marketing e Tecnologia.