E-mail: [email protected]   |   Telefone: (41) 99521-8611

Suporte 24/7

“As marcas precisam agir como pessoas nas redes sociais para terem sucesso”, diz gerente de conteúdo da Hootsuite
7 de março de 2022

Não estamos mais na época em que você só precisava fazer um post nas redes sociais para dizer que tem uma estratégia. O mercado de redes sociais está muito mais profissionalizado, e o público não quer ver apenas anúncios em seus feeds. O alerta vem da gerente de conteúdo sênior da Hootsuite, Sarah Dawley.

“As pessoas não se importam com sua marca apenas porque ela existe. Você tem que fazer com que elas se interessem, e isso é especialmente verdade nas redes sociais. Você está interrompendo o feed pessoal dos usuários, e isso deve ser visto como um privilégio e não como um direito”, disse Sarah durante nossa Jam Session, webinar da Rock Content com os melhores profissionais de marketing do mundo.

A Hootsuite, uma das maiores plataformas de gerenciamento de redes sociais do mundo, lançou o Social Media Trends 2022, um relatório abrangente sobre o que podemos esperar desse tipo de canal este ano. O conteúdo está dividido em cinco tendências, cada uma repleta de dados e insights para profissionais de marketing e todos que desejam prosperar nas redes sociais hoje.

Na Jam Session, Sarah — que supervisionou todo o relatório — passa por cada uma das cinco tendências para dar ainda mais detalhes e passar dicas e estratégias práticas ​​para ajudar os profissionais de marketing a decolar em 2022.

Sua equipe de marketing está trabalhando alinhada com a equipe de sucesso do cliente? Como está seu desempenho no social e-commerce? Você pretende investir em outras plataformas como Pinterest, TikTok e Snapchat ou vai focar mais o Facebook, LinkedIn e Instagram? E o ROI dos seus investimentos, você o mensura?

Confira isso (e muito mais!) na entrevista em vídeo completa (ou leia a transcrição abaixo):

Índice

Introdução
Tendência nº 1 — As marcas finalmente entenderam o que é comunidade (com a ajuda dos criadores de conteúdo)
Tendência nº 2 — Os profissionais de marketing mostram criatividade à medida que os consumidores entendem melhor como os anúncios sociais funcionam
Tendência nº 3 — O social silenciosamente amadurece para fora do departamento de marketing
Tendência nº 4 — O social se torna o coração da experiência de compra pós-pandemia
Tendência nº 5 — Os profissionais de marketing de social media salvam suas marcas do apocalipse do atendimento ao cliente
Perguntas e respostas

Transcrição

[Giuseppe Caltabiano — Rock Content] Certo. Aqui estamos. Olá. Boa noite de Londres. Bom dia, boa tarde, dependendo de onde você está se juntando a nós. Meu nome é Giuseppe Caltabiano. Estou liderando os times de Creative Operations, Growth e Product Marketing aqui na Rock Content e é um imenso prazer apresentar a Jam Session de hoje. Hoje, temos conosco, Sarah Dawley. Bem-vinda, Sarah.

[Sarah Dawley — Hootsuite] Olá, muito obrigada por me receber.

[Giuseppe Caltabiano — Rock Content] Agora, antes de fazer uma introdução adequada, deixe-me gastar apenas um minuto para falar sobre nossas Jam Sessions. É uma mistura de entrevistas, sabe, como a que temos hoje, podcasts e webinars.

Elas são hospedados por nós na Rock Content e apresentam os principais profissionais de marketing, especialistas em SaaS e inovadores. E fazemos tudo isso com um tema comum. Nosso objetivo é fornecer conselhos e compartilhar tendências e melhores práticas sobre como dominar experiências de conteúdo bem-sucedidas.

E hoje, nós definitivamente temos uma dessas grandes profissionais de marketing e inovadoras, Sarah, com um tópico especial. Na verdade, Sarah é gerente sênior de conteúdo da Hootsuite. E ela vai nos contar tudo sobre o sexto relatório anual sobre tendências globais de redes sociais, um dos relatórios mais renomados e prestigiados na área de rede social e conteúdo.

Sarah, que bom que você está aqui conosco hoje. Certo, então, o que vamos fazer é… em primeiro lugar, temos um evento bem lotado. Lembro que, cerca de 8 horas atrás, tínhamos mais de 800 pessoas, o que é um número grande, então estou esperando muitas perguntas. Mas, vamos fazer isso, vou dividir as perguntas em algum tipo de capítulo diferente para cobrir todas as tendências, se estiver tudo bem para você.

E, deixe-me começar, em primeiro lugar, apresentando você, Sarah. Eu quero começar realmente pedindo que nos conte algo sobre você, para o público que ainda não sabe quem você é.

[Sarah Dawley — Hootsuite] Por onde começar… vamos ver. Então, sim, meu nome é Sarah Dawley. Estou falando com vocês ao vivo de uma pequena cidade nas montanhas da Colúmbia Britânica, Canadá. Chama-se Kamloops. Me mudei para cá há cerca de um ano vindo de Vancouver. Eu estou amando esse lugar; apenas cercado por neve e colinas. É uma época linda do ano para estar aqui. E estou na Hootsuite há quase 7 anos na equipe de conteúdo desde o início. E, sim, estou muito empolgada com essas tendências, muito empolgada com o rumo que o espaço social está tomando, e animada para mergulhar nesse assunto com vocês todos.

[Giuseppe Caltabiano — Rock Content] O outro lado do mundo para mim.

[Sarah Dawley — Hootsuite] Sim.

[Giuseppe Caltabiano — Rock Content] Certo, você pode nos contar mais sobre sua jornada profissional? Além disso, qual é a sua parte favorita na função em que atua hoje, e por quê?

[Sarah Dawley — Hootsuite] Sim, então comecei como redatora em algumas pequenas agências de publicidade, fazendo marketing de conteúdo, muito relacionamento com a imprensa, esse tipo de coisa. E então, em 2010, fui contratada como gerente de redes sociais em um grupo de emissoras de televisão canadense. Quem cresceu no Canadá conhece a Much Music e a MTV Canada. Sabe, quando tocávamos videoclipes na TV. Então, eu fui a gerente de redes sociais desses canais por cerca de 4 anos.

Me mudei a Vancouver para trabalhar na Hootsuite. Então, quando era gerente de redes sociais, eu era um gerente da Hootsuite. Então, foi muito legal ter essa perspectiva, e comecei como redatora na equipe de conteúdo. Fui promovida a redatora sênior e, finalmente, para a função em que estou agora, que é liderar a estratégia de conteúdo e a equipe de marketing de conteúdo da Hootsuite.

E acho que a parte favorita do meu trabalho e minha parte favorita na Hootsuite como um todo é o quão constante tudo está mudando e evoluindo.

Nós estávamos falando sobre isso um pouco antes, antes de entrarmos ao vivo. É como se nenhum dia fosse igual, nenhuma semana fosse a mesma. A indústria não fica parada, então, sinto que estou constantemente sendo desafiada e precisando aprender com as pessoas e fazer coisas como esta Jam Session, na qual estamos nos conectando com as pessoas que fazem o trabalho, no mundo real. Aprender e ouvir delas é definitivamente minha parte favorita do trabalho.

[Giuseppe Caltabiano — Rock Content] Isso é fantástico e, no fim das contas, o conteúdo é a ponta do marketing, então você sempre tem que aprender e ver coisas novas, todos os dias. Agora, em primeiro lugar, vamos falar sobre o novo relatório e seus dados. Esse é o sexto relatório anual e vem de uma pesquisa com 18.000 profissionais. Você pode nos dar mais detalhes sobre os participantes? De onde eles vêm, talvez possa falar um pouco sobre seu perfil; se eles são profissionais de marketing ou não.

[Sarah Dawley — Hootsuite] Definitivamente, sim, então essa foi nossa maior pesquisa até agora, o que foi muito empolgante com 18.100 entrevistados. Divulgamos a pesquisa globalmente, por isso é realmente uma visão global do que está acontecendo no mundo do marketing de redes sociais. Nós a publicamos em cinco idiomas. Recebemos entrevistados de cerca de nove setores diferentes, ou pelo menos os agrupamos em nove setores diferentes e eles definitivamente não eram apenas clientes da Hootsuite.

Abrimos a todos que trabalham com redes sociais. E em termos de divisão no nível de carreira, eu diria que a maioria das pessoas era responsável pela estratégia de rede social ou pela execução de alguma forma. Portanto, não são necessariamente gerentes de rede social. Podem ser profissionais de marketing digital que têm o social como apenas mais uma coisa para fazer em sua lista de tarefas.

Podem até ser CMOs. 48% dos entrevistados eram de nível de diretoria ou superior e 52% eram gerentes ou profissionais analistas. Então, uma divisão com uma boa antiguidade, que eu acho que realmente ajuda esses dados a pintar uma imagem muito abrangente de como as coisas estão.

[Giuseppe Caltabiano — Rock Content] Exatamente, e se eu olhar todas as tendências, por meio do documento completo, acho que há uma constatação comum, pelo menos essa é a minha visão pessoal. Aliás, vamos debater cada uma delas individualmente agora. E essa constatação comum é que o social está começando a ir além do marketing. As organizações têm como objetivo alcançar mais com o social do que nunca. Ainda existem, eu percebo, algumas áreas; reconhecimento da marca, aquisição de clientes, geração de conversões, que certamente permanecem como os principais objetivos das redes sociais.

Mas há muitas surpresas, na minha opinião. Por exemplo, me recordo que a experiência do colaborador saltou de algo entre 4 a 5% para 20% este ano. Isso é superinteressante, na minha opinião. Bem, você quer nos passar talvez um panorama caso você tenha encontrado alguma tendência em comum? Ou você prefere seguir imediatamente para a primeira tendência?

[Sarah Dawley — Hootsuite] Acho que há algumas coisas que eu poderia falar, na verdade. Uma é o que você acabou de mencionar. O fato de termos visto, sabe, coisas como reconhecimento de marca e aquisição de clientes ainda sendo uma grande exceção, ou objetivo, das redes sociais.

Mas esse salto de 4% e 5% de melhora na experiência do colaborador, gerenciamento de reputação da marca e a mitigação de riscos de percentuais de um dígito para cerca de 20%. Isso está realmente mostrando como as pessoas têm expectativas mais sobre as redes sociais, o que é realmente empolgante. E eu acho interessante também outros dados que vieram de nossa pesquisa, e você pode baixar o relatório completo, os resultados completos de nossa pesquisa, em nosso micro site de tendências sociais.

[Giuseppe Caltabiano — Rock Content] Certo.

[Sarah Dawley — Hootsuite] Perguntamos aos profissionais de marketing quais plataformas eles acharam mais eficazes e abordaremos esse assunto em breve na tendência 2, mas estamos realmente percebendo a eficácia percebida de plataformas como TikTok, Pinterest, Snapchat com incrível crescimento ano a ano. Acho que o TikTok sozinho mudou 700% ano após ano na eficácia percebida.

Então, algumas histórias interessantes apareceram em nossos dados de pesquisa, como essa. No geral, não acho que houve grandes surpresas. Acho que as tendências que vimos no ano passado continuaram e, se muito, elas aceleraram. Mas, existem alguns detalhamentos muito interessantes, especialmente quando se trata do tamanho da organização. Com o que as pequenas empresas se preocupam? Em que as grandes marcas estão focadas? E tudo isso você pode ver representado naquele deck de resultados da pesquisa que mencionei.

[Giuseppe Caltabiano — Rock Content] Perfeito, obrigado, Sarah. Ah, e a propósito, outra coisa que eu gostei muito são os infográficos, o que significa que não é só o relatório, não é só sobre as tendências. Existe alguma documentação prática que pode ser imediatamente reutilizada por grandes e pequenas marcas e colocada em ação. De onde veio a ideia dos infográficos?

[Sarah Dawley — Hootsuite] Acho que o mundo das redes sociais e as tendências, em geral, tendem a ser um pouco nebulosos, um pouco, sabe, são grandes ideias. E pode ser difícil olhar para essa grande ideia ou para essa grande tendência e dizer que faz sentido, mas como faço isso funcionar para minha marca? Como fazer isso funcionar para uma empresa B2B? Como faço isso funcionar para uma pequena organização sem fins lucrativos?

E assim estamos sempre tentando ajudar as pessoas a conectar esses pontos em nosso conteúdo, porque poderíamos falar o dia todo sobre o TikTok, em geral. Podemos falar sobre isso como consumidores, como pessoas que usam o aplicativo. Podemos falar sobre isso como um veículo de marketing em termos muito gerais, mas a situação de todos é muito diferente. Então, com esses infográficos, nós realmente queríamos dar às pessoas pelo menos um ponto de partida com ao menos algumas ações que elas poderiam fazer para começar a colocar essas tendências em prática, não importa em que setor elas estejam. Isso apenas para começar a torná-las uma realidade mais tangível, porque é muito fácil ler sobre tendências, mas muito mais difícil colocá-las em prática.

[Giuseppe Caltabiano — Rock Content] Isso mesmo. E vou tentar fazer o mesmo com essa entrevista. Então, vamos perguntar a você sobre cada uma das tendências. O que pode ser a principal lição para a marca, vamos tentar torná-la mais acionável. Então, vamos pular para a primeira tendência, que é a tendência de estratégia de marca. E vamos mergulhar direto nas primeiras marcas aleatórias. “Finalmente entenderam o que é comunidade com a ajuda dos criadores”. Nossa, esse “finalmente” não está vindo de mim. Faz parte do título. Sarah, você pode nos contar mais sobre essa primeira?

[Sarah Dawley — Hootsuite] Sim, acho que a parte final do título vem do fato de que acho que muitas marcas ou profissionais de marketing realmente caem nessa armadilha de acreditar que todos se preocupam inerentemente com seu produto ou com o que você precisa dizer. E isso pode soar um pouco duro, mas é a verdade, não é? As pessoas não se importam inerentemente com sua marca porque ela existe. Você tem que fazer com que elas se importem, e isso é especialmente verdade nas redes sociais. Você está interrompendo o feed de curadoria pessoal das pessoas, e isso realmente deveria ser visto, eu acho, como um privilégio e não um direito.

E, assim, as marcas, muitas vezes, quando tentam se inserir e se entrelaçar em comunidades digitais, muitas vezes se sentem como aquele cara na festa que só fala sobre si mesmo e acho que isso presta um verdadeiro desserviço ao poder das redes sociais e ao poder que existe nessas comunidades. E essa é a ideia de poder participar ativamente desse vai-e-vem com as pessoas, de modo que essa parte de “finalmente entenderam o que é comunidade” no título da tendência foi realmente um alerta para isso, o fato de acharmos que os criadores apresentam uma maneira muito autêntica e eficaz para que marcas possam participar e construir comunidades online.

[Giuseppe Caltabiano — Rock Content] Você mencionou comunidades digitais. Agora, sempre que leio sobre essas comunidades digitais, penso imediatamente nos grupos do LinkedIn, Facebook, grupos do Facebook, eventualmente comunidade do Twitter, novas comunidades do Twitter, mas também muitas outras coisas novas como Peloton, Lego e muitas outras empresas que estão fazendo isso direito. Bem, você pode nos dar alguns exemplos, em sua opinião, de marcas que estão realmente entendendo e acertando com as comunidades digitais?

[Sarah Dawley — Hootsuite] Sim, acho que esses são dois ótimos exemplos, quero dizer, eu mesma sou uma usuária da Peloton. Eu estou vendo uma bem atrás de você e acho que a maneira como eles criaram, sabe, não apenas um serviço, não apenas um produto, mas uma verdadeira comunidade que gira em torno de seu produto e serviço e uniu as pessoas de uma forma muito maior, mais profunda e de maneira mais significativa é realmente incrível.

E eu até estava ouvindo um podcast esta manhã onde eles estavam falando sobre o metaverso e a recente aquisição da empresa de videogames Activision Blizzard pela Microsoft, e eles estavam dizendo assim: você sabe que o metaverso já está ao nosso redor, certo? Você olha para coisas como a Peloton, as pessoas estão ficando muito mais confortáveis ​​com a ideia de fazer algo que só existe no mundo digital e fazer parte de algo que só existe no mundo digital.

Então, acho que esse é um ótimo exemplo, a Lego. Tenho um filho de três anos. Eu moro com Legos e isso me forçou a explorar muito mais seu site, sua comunidade, seus canais sociais, e eles realmente construíram algo especial também, que não apenas incentiva os fãs de Lego a se conectarem, mas a criar coisas novas e apresentar ideias para novos kits de produtos. E esse aspecto de cocriação da sua comunidade, eu acho, é muito importante também.

É assim que você faz as pessoas se sentirem como se realmente fossem parte de uma comunidade, dando a elas a autonomia e a oportunidade de criar algo sobre o qual possam ter algum tipo de propriedade. E então mais um exemplo que tive foi, porque as pessoas estão sempre me perguntando sobre B2B.

E como a Hootsuite é uma empresa B2B, estou sempre pensando em B2B, mas a Atlassian é um exemplo fantástico, eu acho, de uma marca que realmente construiu uma comunidade forte. Se você entrar na aba “comunidade” no site deles, eles têm milhões de pessoas nesse fórum que estão se comunicando uns com os outros regularmente, e a marca meio que saiu de cena.

São apenas pessoas ajudando pessoas, e elas estão impulsionando suas habilidades para ajudar umas às outras a resolver problemas com o produto ou fora dele. Acho que isso é uma coisa realmente poderosa que faz as pessoas se sentirem conectadas com a marca.

[Giuseppe Caltabiano — Rock Content] Certo. E então, você mencionou criadores digitais. Agora, o problema que eu pessoalmente tenho com os criadores digitais é que provavelmente há mais de 50 milhões de pessoas ao redor do mundo que se consideram criadores digitais. Você pode me ajudar a defini-los?

[Sarah Dawley — Hootsuite] Sim, esse é um tema importante. Ok, qual é a diferença entre um criador e um influenciador? E eu acho que sim, é uma coisa que me perguntam o tempo todo. E não há uma resposta certa ou errada. E o certo é subjetivo. Meu olhar pessoal é que os criadores são apenas uma evolução dessa ideia de influenciadores.

Então, naquela época, eu não sei, eu diria que, há muito tempo, alguns anos atrás, o furor era sobre influenciadores que tinham milhares de seguidores, como Kylie Jenner e o resto das Kardashians.

Elas têm milhões de seguidores e uma marca paga elas muito dinheiro para mostrar seu produto em uma postagem no Instagram e é isso. Os criadores, no entanto, são as pessoas que você vê online que acumularam um número razoável de seguidores. Pode ser um número enorme, mas também pode ser 20 mil, até 15 mil. No entanto, eles exercem muita influência sobre essas pessoas. E eles uniram esse público porque estão criando algo. Eles estão criando algo, seja tricotando ou mesmo transmitindo algo como os video gamers.

Eles estão ativamente produzindo algo que essas pessoas querem vê-los fazer. E acho que uma grande diferença entre eles e os grandes influenciadores famosos é que essas comunidades que os criadores criaram geralmente os financiam.

Seja diretamente ou por meio de serviços como o Patreon. Seguidores geralmente apoiam financeiramente o criador para que ele possa fazer mais do trabalho que ele faz. E acho que essa é uma grande diferença entre essa ideia do mega influenciador e do criador.

[Giuseppe Caltabiano — Rock Content] Qual é a principal lição para as marcas, aliás, acho que essa primeira tendência pode funcionar bem tanto para grandes empresas quanto para pequenas empresas, certo? Quero dizer, você pode querer promover sua marca para comunidades pequenas ou enormes.

[Sarah Dawley — Hootsuite] Com toda certeza. Essa foi toda a narrativa para nós nessa tendência. É essa ideia de que as comunidades digitais estão prosperando mais do que nunca por muitas razões. Isso soa como uma ótima notícia para os profissionais de marketing que desejam fazer parte delas e que desejam construir suas próprias comunidades digitais.

E grandes marcas como Lego, Peloton e Atlassian estão fazendo um trabalho fantástico para que isso aconteça. Mas isso deixa muitas empresas menores coçando a cabeça e pensando como podem fazer isso. Ainda não temos milhões de usuários. Não temos um orçamento enorme para criar esses grandes hubs para unir as pessoas.

E então nosso conselho e uma espécie de tese sobre essa tendência é que você realmente tem uma vantagem como uma empresa de pequeno ou médio porte quando se trata de cultivar a comunidade. As pessoas confiam nas pequenas empresas de uma maneira que elas confiam ou as abraçam de um modo que nem sempre abraçam as grandes empresas.

Então, quando você vê pequenas empresas entrando em comunidades online, acho que elas são muito mais bem-vindas, especialmente em plataformas como o TikTok. As pequenas empresas também têm histórias incríveis na sua essência, sobre o fundador e como ele ou ela teve a ideia de criar o negócio e as pessoas que são a força vital. Essas são todas as histórias que realmente tocam as pessoas.

Então você tem uma vantagem, acho, quando se trata de criar uma comunidade em torno de sua marca. Mas a tendência focada nos criadores é a ideia de dizer, “ei, você não precisa começar do zero e construir esta comunidade do zero”.

Olhe para as comunidades que já existem por aí que estão relacionadas à sua marca. Encontre os criadores nesses espaços que são os mais confiáveis, os mais interessantes, os mais criativos e, em seguida, trabalhe para estabelecer uma parceria com eles que possa ajudar a beneficiá-los como criador e você como marca. E isso é algo que é muito mais atingível para marcas pequenas ou médias.

[Giuseppe Caltabiano — Rock Content] Isso faz sentido. Obrigado, Sarah. Vamos seguir para a segunda tendência. Tendência número dois, a tendência de publicidade social. Essa é provavelmente a minha favorita: “profissionais de marketing se tornam criativos à medida que os consumidores entendem melhor como os anúncios sociais funcionam”. Na minha opinião, o conceito principal aqui é sobre criatividade. E todos sabemos que a criatividade está em declínio há muitos anos e há uma boa esperança de que essa tendência esteja se revertendo. Você pode nos contar mais sobre a segunda tendência?

[Sarah Dawley — Hootsuite] Sim, criatividade é tudo, eu acho. Em qualquer lugar no mundo do conteúdo, marketing e publicidade, mas especialmente nas redes sociais. Então, nos primórdios das redes sociais, a simples presença de uma marca no Facebook ou no Twitter era novidade em si e as marcas não precisavam se esforçar tanto para alcançar muitas pessoas ou chamar a atenção.

E isso obviamente não é mais o caso de qualquer meio, quanto mais conhecido ele fica, mais as pessoas vão começar a ignorar você, e mais você tem que elevar o nível para romper barreiras e chamar a atenção. Acho que precisamos lembrar que esse é por essência um lugar divertido. É onde as pessoas estão escolhendo passar o tempo se conectando com seus amigos e familiares, o que ainda é a maior motivação para as pessoas estarem nas redes sociais.

Há alguns dados ótimos de índice global da web que provam isso. E assim, novamente, é um lugar divertido. As pessoas estão tentando se conectar com outras em um nível realmente humano. Então, se você acha que sua marca vai chegar a algum lugar nas redes sociais sendo chata ou não correndo riscos ou não pensando em como você pode fazer as coisas de forma diferente para realmente ganhar essa atenção, em vez de pensar que você deveria apenas fazer, sabe, você tem autorização para isso.

Você realmente tem que pensar diferente.

[Giuseppe Caltabiano — Rock Content] Isso mesmo, e acho que principalmente nós, no B2B, temos que aprender muito sobre criatividade porque isso nos deu um tipo de diferencial, mas que hoje não temos. Agora, quando penso em plataformas para publicidade digital, geralmente penso novamente como um cara B2B e depois talvez Facebook, Twitter, Instagram. Mas há algumas surpresas vindas do relatório, certo? Você pode nos contar mais sobre algumas plataformas de canais emergentes?

[Sarah Dawley — Hootsuite] Sim, eu insinuei isso anteriormente, o fato de que em nossa pesquisa, TikTok, Snapchat, Pinterest, todos eles aumentaram drasticamente em termos de eficácia percebida para marketing. E também encontramos algumas pesquisas que sugerem que os consumidores estão realmente mais abertos e se sentem mais conectados às marcas nesses espaços, por isso são mais receptivos aos anúncios nessas redes.

E acho que uma grande razão pela qual isso está acontecendo é que redes como Pinterest, TikTok e Snapchat realmente forçam você como profissional de marketing a se adaptar a essa plataforma e ao tipo único de nuances. Então, toda a ala comercial do TikTok, o slogan deles é não faça anúncios, faça TikToks e isso resume tudo ali. Não tente interromper a experiência que as pessoas estão tendo com o seu outdoor digital.

Crie conteúdo que se encaixe perfeitamente nessa experiência a ponto de eles nem perceberem que é um anúncio no início, e você verá resultados muito, muito melhores. E acho que é isso que está fazendo com que esses canais forneçam resultados realmente ótimos para os profissionais de marketing e aumentem esse senso de eficácia percebida.

[Giuseppe Caltabiano — Rock Content] Vamos tornar isso prático. Qual é, na sua opinião, a principal lição para as marcas vindas da segunda tendência?

[Sarah Dawley — Hootsuite] Acho que você precisa se familiarizar e talvez se reconectar com cada rede social e o que a torna única. Então, você pode realmente fazer isso apenas sendo um ser humano que usa essas plataformas. Pare de pensar como um profissional de marketing e seja você mesmo, use a plataforma para ver o que você gosta, veja o que você não gosta, especialmente para o TikTok. Recebemos muitas perguntas sobre o TikTok. E a primeira coisa que sempre pergunto às pessoas em resposta é: você usa o TikTok?

Você já o baixou? Você já passou tempo nele? E a resposta geralmente é “não”. E eu acho que você não pode esperar entender o que vai funcionar no TikTok ou se sua marca deve ou não estar no TikTok se você não estiver usando. Então, esse seria meu conselho número um: se familiarizar com as plataformas como usuário antes de tentar enfrentá-las como marca.

[Giuseppe Caltabiano — Rock Content] Fantástico. Obrigado, Sarah. Tudo bem, vamos para a terceira, a tendência de ROI. “O Social silenciosamente amadurece fora do departamento de marketing”. Essa é a que mencionamos no início, certo? A rede social indo além do marketing. Você pode nos contar mais sobre por favor?

[Sarah Dawley — Hootsuite] Sim, essa é definitivamente a mais importante de todas as nossas cinco tendências e meio que gira em torno de um ponto de nossa pesquisa que mostrou que as empresas que se sentiam mais confiantes sobre o ROI das redes sociais tinham três coisas em comum. E uma delas foi que elas realmente integraram completamente o social com suas outras iniciativas de marketing.

Elas estavam usando a escuta social e sentiram que isso havia aumentado em importância para elas e unificaram completamente suas estratégias pagas e orgânicas. Também vimos um ponto dos entrevistados de nível sênior quando perguntados sobre qual foi a oportunidade mais empolgante nas redes sociais para expandir o impacto do social em outros departamentos.

Então, nossa análise disso é que achamos que muitas empresas decifraram o código quando se trata do ROI do social para marketing, para reconhecimento de marca. Elas entendem. Elas sabem que é eficaz. Elas acreditam nisso agora. Elas até estão se saindo muito bem em medi-lo. Mas agora elas estão procurando expandir esse impacto para muitas outras áreas de negócios.

Portanto, inteligência competitiva, retenção de colaboradores, recrutamento e pesquisa e desenvolvimento de RH usando o social para se infiltrar em todas essas outras áreas; trazer dados e inteligência do social para essas outras áreas está realmente diferenciando as organizações quando se trata de gerar ROI. E também medi-lo e comprová-lo em um nível de impacto nos resultados do negócio, não apenas em métricas de engajamento.

[Giuseppe Caltabiano — Rock Content] Algum exemplo de marcas que na sua opinião estão acertando nisso?

[Sarah Dawley — Hootsuite] Sim, é um tema que estamos ajudando muitos de nossos clientes a desvendar. Então, essa tendência é realmente para aquelas organizações ou empresas que estão mais adiantadas em sua jornada com redes sociais, mas no relatório usamos a Ochsner Health como exemplo. É uma grande organização de saúde no sul dos Estados Unidos, e ela não está apenas usando as redes sociais para promover campanhas de comunicação ou seus esforços de marketing e comunicação, mas está usando isso para alavancar a experiência dos colaboradores. Para exibir sua equipe e suas conquistas.

E ela também está usando isso para gerenciar sua reputação e muitas coisas como gerenciamento de risco, o que, é claro, na era da Covid, é muito importante que uma agência de saúde esteja monitorando informações erradas e coisas do tipo. Ela pode ir longe, então eu pensei que era um ótimo exemplo. E um que você pode encontrar no relatório que mencionei.

[Giuseppe Caltabiano — Rock Content] Perfeito. Obrigado, Sarah. Tudo bem, vamos para a quarta. Essa é interessante, aliás, a tendência do comércio social. “O Social se torna o coração da experiência de compra pós-pandemia”. Acho que isso é relevante para todos nós. Os que agora são atingidos por uma nova onda pandêmica e os outros onde a onda está desaparecendo lentamente. A tendência é sobre como o social está se tornando, bem, na verdade, já se tornou, o coração do e-commerce pós-pandemia e da experiência de compra. Acho que é uma oportunidade interessante para todas as marcas, independentemente. Você pode, por favor, apresentar a quarta tendência e nos contar mais sobre ela?

[Sarah Dawley — Hootsuite] Creio que quando as pessoas ouvem a palavra “comércio social”, elas imediatamente pensam em coisas como lojas do Facebook ou Instagram onde você está comprando um produto diretamente de uma postagem no Instagram. E esse é um componente enorme do comércio social, obviamente, e como você disse, está realmente ganhando força. Só Deus sabe como eu gasto dinheiro comprando coisas aleatórias no Instagram ou Facebook.

Mas realmente queremos expandir essa definição de comércio social e desafiar as pessoas a pensar nisso como mais do que apenas um botão de compra que você adiciona às suas postagens sociais.

O comércio social é realmente sobre toda a jornada de compra que ocorre no social, desde a descoberta e avaliação até o momento da compra, mas também o que acontece após a compra e esse acompanhamento, e o ângulo do atendimento ao cliente, que abordaremos na tendência cinco.

Mas achamos que a razão pela qual isso precisa se tornar sua definição de trabalho de comércio social é que as gerações mais jovens estão entrando nas redes sociais para pesquisar as marcas, mais do que nos mecanismos de busca.

E essa estatística vem do relatório que publicamos todos os anos com o We Are Social. Chama-se Digital, bem, este ano será Digital 2022 e sai semana que vem (nota da Rock Content: já foi lançado e pode ser encontrado aqui).

E essa estatística se manteve verdadeira desde o ano passado até este ano. Então, eu acho que para todas as gerações é a segunda maneira como as pessoas estão pesquisando marcas, mas como eu mencionei, para as gerações mais jovens é a primeira.

Então, essa condensação do funil de compra. O fato de você poder descobrir mais detalhes sobre a marca e comprar o produto em um post no Instagram, torna muito urgente começar a pensar em como tornar a experiência que você está criando para as pessoas nas redes sociais a mais simples e rápida possível, o que muda o jogo para muitas marcas.

[Giuseppe Caltabiano — Rock Content] Você se lembra de algum bom case B2B e B2C?

[Sarah Dawley -— Hootsuite] Ah, vamos ver… o que eu comprei ultimamente? Não, acho que vou voltar às marcas que mencionamos em nosso relatório porque acho que são ótimos exemplos.

[Giuseppe Caltabiano — Rock Content] Sim.

[Sarah Dawley – Hootsuite] Então, há um pequeno estúdio de cílios e sobrancelhas, em Toronto, que descrevemos no relatório. Eles funcionam totalmente com consultas presenciais, e então a pandemia aconteceu.

E eles não tiveram outra opção a não ser migrar completamente para o online e desenvolveram uma linha de produtos e começaram a vendê-los diretamente pelo Instagram, bem como por meio de um site como um modelo tradicional de e-commerce. Mas, além disso, eles estavam fazendo eventos regulares ao vivo no Instagram, onde mostravam às pessoas o produto em ação e respondiam às suas perguntas.

E isso acabou se tornando, embora o estúdio esteja novamente aberto, outra parte do negócio. E isso mudou completamente seus fluxos de renda. Mudou completamente a maneira como eles se relacionam com os clientes e também mudou completamente a comunidade deles.

Porque agora eles têm muito mais fãs e seguidores que estão apenas naquela comunidade digital e nunca pisaram no estúdio. E eu acho que isso é um ótimo exemplo. No relatório, também mencionamos no outro extremo do espectro uma das maiores marcas do mundo, a Gucci, que está pegando essa ideia de comércio social e simplesmente explodindo.

Eles estão tão à frente de quase qualquer outra marca trabalhando neste espaço. Eles criaram essa coisa chamada Gucci Garden na plataforma de jogos Roblox. É uma experiência muito metaversa, e milhões de pessoas vieram para esse showroom virtual. E, na verdade, havia uma bolsa em particular que era uma réplica digital de uma bolsa que você pode comprar na vida real, e a versão digital foi vendida por mais do que a versão física real custa no varejo.

E isso foi meio alucinante para mim que alguém pagaria mais por uma versão digital de uma bolsa do que por uma bolsa da vida real. Mas acho que veremos essa tendência continuar, e as coisas que a Gucci está fazendo e experimentando talvez não cheguem tanto a marcas menores ou médias. Mas penso que você pode aprender muito com o que eles estão adotando e com a demanda por isso também. Como eu disse, são milhões de pessoas que vão a essas experiências e olham produtos e os compram por meio de reuniões sociais virtuais, e acho isso muito interessante.

[Giuseppe Caltabiano — Rock Content] Obrigado, Sarah. Ambos estão no setor de consumo, certo? Você consegue se lembrar de algo em B2B que provavelmente seja mais difícil?

[Sarah Dawley — Hootsuite] É mais difícil, mas acho que estamos vendo muito mais em relação a, novamente, todo esse processo de compra em que o B2B pode realmente brilhar em termos de comércio social está nessa fase de descoberta e avaliação. Os ciclos de compra B2B são mais longos, são mais baseados em relacionamento, para que as pessoas entrem em contato, por exemplo, no LinkedIn, e cultivem esses relacionamentos e enviem conteúdo. Isso tudo faz parte do comércio social. São pessoas pegando o ciclo de compra tradicional e fazendo isso acontecer por meio das redes sociais.

Então, no B2B há muitas oportunidades, estamos vendo organizações B2B mais avançadas usando recursos como ferramentas de IA de conversação e bots de bate-papo para realmente marcar compromissos e reuniões virtuais e esse tipo de coisa. Então, acho que há muitas oportunidades, não importa o tipo de negócio em que você esteja ou o tamanho da empresa em que você trabalha.

[Giuseppe Caltabiano — Rock Content] Ótimo e representativo. Vamos passar para a tendência número cinco, a tendência de atendimento ao cliente. “Os profissionais de marketing social salvam suas marcas do apocalipse do atendimento ao cliente” e agora você precisa nos dizer o que é o apocalipse do atendimento ao cliente e qual é a tendência número cinco.

[Sarah Dawley — Hootsuite] Sim, fomos muito dramáticos com essa, o que eu amo. Então, sim, a ideia é que os profissionais de marketing social salvam suas marcas do apocalipse do atendimento ao cliente, e a razão pela qual o enquadramos dessa maneira é, sabe, os problemas da cadeia de suprimentos global da pandemia, a grande demissão acontecendo e a escassez de pessoal. Há muitas forças em jogo este ano que podem resultar em muitas marcas, dependendo do setor em que estão trabalhando, tendo uma afluência de clientes não tão satisfeitos.

Ao mesmo tempo, vimos pessoas, especialmente nos últimos dois anos, perceberem que é muito fácil, conveniente e rápido obter uma resposta ou um problema resolvido com uma marca ao entrar em contato diretamente pelas redes sociais, em vez de mandar e-mail ou ficar em espera por horas no telefone.

E eu não acho que as pessoas vão voltar para essas coisas. Uma vez que elas percebem que esse é o método preferido para alcançar uma marca e obter atendimento ao cliente, elas continuarão com isso e esperarão isso das marcas nas quais compram. É por isso que essa tendência está tão entrelaçada com a tendência anterior, a tendência do comércio social.

Então, o que estamos vendo é que tradicionalmente as organizações têm suas equipes de marketing e, em seguida, suas equipes de atendimento ao cliente. E elas são muito separadas. Elas usam ferramentas separadas. Elas têm objetivos separados. Isso tem que mudar. Elas precisam usar as mesmas ferramentas.

A Hootsuite, por exemplo, adquiriu uma empresa no ano passado chamada Spark Central. Ela é uma plataforma que pode unir essas duas equipes e preencher essa lacuna para que você possa ver todas as interações que um cliente teve com sua marca no mesmo painel, independentemente de ele ter entrando contato pelas redes sociais, falado por e-mail ou SMS, ou mesmo se tiver interagido com sua central de atendimento.

Os profissionais de marketing social precisam saber disso. Caso contrário, eles estão voando às cegas e estão apenas respondendo a alguém que parece muito zangado e não sabe por quê.

E a expectativa é que as pessoas fiquem felizes, e por isso os profissionais precisam de todas as informações que uma equipe de atendimento ao cliente tem. Eles precisam saber por que essa pessoa está chateada. “Oh, vejo que você nos procurou muitas vezes no último mês e não conseguiu resolver seu problema. Deixe-me chegar ao fundo disso.”

Então, realmente, reunir essas duas equipes usando as mesmas ferramentas. Acompanhar esses acontecimentos pode realmente ajudar a elevar essa experiência e torná-la muito mais simples e menos dolorosa para os clientes no fim das contas, o que acho que muitas marcas precisarão este ano e depois.

[Giuseppe Caltabiano — Rock Content] Certo, então é uma ferramenta unificadora e provavelmente uma melhor colaboração entre diferentes equipes, certo? Você se lembra de alguma marca que está fazendo isso certo?

[Sarah Dawley – Hootsuite] A do nosso relatório era cliente da Hootsuite e da Spark Central da Hootsuite. O nome é Careem, e é uma empresa do Oriente Médio subsidiária da Uber.

E eles usam o Spark Central para realmente consolidar todas as suas atividades sociais, então o “herói do cliente” era o head de gerenciamento de comunidade, não o head de atendimento ao cliente porque, novamente, essa é a tendência que estamos vendo. Essas equipes se unindo. Essas funções se juntando. E eles uniram isso no Spark Central para realmente fornecer essa experiência conveniente e perfeita para clientes que esperam que todas as suas respostas sejam tratadas e resolvidas diretamente nas redes sociais.

Não ser rejeitado de um canal para outro, porque Deus sabe como isso pode ser frustrante. Tenho certeza de que todos tiveram que passar por essa experiência pessoalmente. Então, novamente, parar de pensar como um profissional de marketing e pensar apenas como uma pessoa. Como podemos tornar isso mais fácil para alguém como eu.

[Giuseppe Caltabiano — Rock Content] Incrível. Obrigado, Sarah. Acho que é o momento certo para começar com algumas perguntas do público. A primeira vem de José Enrico e é sobre a tendência número um. José diz que ouvir você falando sobre comunidades é tão suave e simples, mas não parece na vida real. De um modo mais prático por onde começar? Isso parece impossível.

[Sarah Dawley — Hootsuite] Oh, José. Eu entendo você. Eu entendo o que você está falando e acho que é por isso que criamos esses infográficos sobre os quais eu estava falando porque, sim, é muito fácil, você sabe, fazer apontamentos sobre essas coisas em um nível realmente alto. Como eu disse, você chega ao trabalho no dia seguinte e liga o computador e fica tipo, por onde eu começo? Então, acho que quando se trata de comunidades, o melhor lugar para começar e o local mais simples para começar é apenas ouvir.

Então, ferramentas como o Hootsuite facilitam muito a curadoria, um fluxo onde você está apenas ouvindo um certo conjunto de palavras-chave ou uma determinada hashtag, para que você possa começar a encontrar essas comunidades e encontrar as pessoas que são geograficamente relevantes para o seu negócio ou topicamente relevantes para o seu negócio, dependendo das metas e limitações que você tem em sua organização.

E essa é uma ótima maneira de começar a absorver o que está acontecendo e depois começar a pensar: como podemos nos encaixar nisso de uma maneira que não interrompa o que está acontecendo? Como podemos entrar e adicionar algum valor, entrar e agregar alguma educação, ou entrar e apenas adicionar algum entretenimento. Então, sempre pensando em como podemos nos encaixar nisso, em vez de como podemos obter um “pedaço dessa torta”. Então, eu sugeriria a escuta social como o primeiro lugar para começar.

Seja rastreando hashtags, rastreando determinados perfis, apenas rastreando grupos, apenas sentando e ouvindo e quase adotando uma abordagem de economia comportamental, observando o que está motivando essas pessoas. O que elas estão tentando fazer? Como podemos tirar melhor proveito disso? Esse seria o meu conselho.

[Giuseppe Caltabiano — Rock Content] Muito obrigado, Sarah. A segunda pergunta é do Carl. Quais são as plataformas de comércio social em que você acha que definitivamente devemos nos concentrar e por quê?

[Sarah Dawley — Hootsuite] Hmm, o Facebook e o Instagram definitivamente podem ser as mais fáceis. É muito fácil configurar uma loja no Instagram ou uma loja no Facebook e importar seu catálogo de produtos, se você está vendendo um bem tangível.

Muito fácil de fazer isso se você usar uma plataforma de comércio eletrônico como Shopify. Essas redes também facilitam a integração diretamente com seus perfis sociais no Facebook ou no Instagram. Eu realmente tenho visto o TikTok intensificar seu jogo de comércio social também.

Se esse é um público ou você sabe se o público demográfico no TikTok é adequado para sua marca, também é fácil criar anúncios que levam as pessoas ao seu site para que possam fazer a compra lá. E até mesmo plataformas como Twitter e YouTube. Elas estão trabalhando rápido e com muita energia nos recursos de comércio social, mas eu definitivamente sugeriria começar com o Facebook e o Instagram.

[Giuseppe Caltabiano — Rock Content] E isso é principalmente para B2C, na sua opinião, ou tanto para consumidores quanto para empresas?

[Sarah Dawley — Hootsuite] Principalmente B2C, sim. Eu acho que é uma oportunidade maior para o B2C, embora as marcas B2B façam publicidade social, usando anúncios no Facebook para iniciar a jornada de compra para atrair a atenção que está lá e, em seguida, atrair as pessoas para um conteúdo ou uma landing page criada para colocá-los em seus fluxos de nutrição, para levá-los como um lead para esse banco de dados; os anúncios sociais são uma ótima maneira de alcançar novos públicos nessas plataformas, o que também faz parte do comércio social. E, é claro, o LinkedIn.

Fazer com que seus colaboradores sejam superativos no LinkedIn, construindo essas marcas pessoais. Essa relação, como mencionei, também é uma forma de comércio social se usarmos a definição que apresentamos anteriormente.

[Giuseppe Caltabiano — Rock Content] Perfeito. Obrigado. Carl ainda está perguntando por que os canais de rede social estão sobrecarregados com conteúdo curto pobre hoje e, na sua opinião, qual tem sido o erro número um que as pessoas estão constantemente cometendo nas redes sociais e, finalmente, como mudá-lo?

[Sarah Dawley — Hootsuite] Eu concordo que as redes sociais estão sobrecarregadas, e isso era realmente o que estava no cerne da segunda tendência. Sim, as pessoas ficaram realmente cansadas de anúncios e realmente cansadas de marcas tentando forçar seu caminho nas conversas ou nas tendências que estão acontecendo nas redes sociais. Então, acho que o erro número um seria as marcas entrarem e, como eu disse, apenas acreditar que elas têm direito a uma atenção, em vez de trabalhar muito duro para ganhá-la. E acho que a maneira como você trabalha duro para ganhá-la é por meio de uma criatividade e inteligência que valoriza, naturalmente valoriza, o tempo e a atenção que você está pedindo às pessoas. Então tem que valer a pena se você está ensinando algo, se você é apenas divertido, se você é inspirador.

Se você colocar isso no centro de sua estratégia criativa, acho que verá uma resposta muito melhor porque as pessoas entenderão, “ei, eles dedicaram um tempo para entender essa plataforma, entender as pessoas nela, entender as nuances culturais da plataforma e como as pessoas estão usando”, porque isso muda mês a mês.

E acho que esse trabalho realmente não passará despercebido.

[Giuseppe Caltabiano — Rock Content] Concordo 100%. E se eu puder dizer algo, acho que criatividade também é o ponto-chave aqui. Estamos usando a rede social, como você mencionou, para anúncios e marketing de desempenho principalmente em 99% dos casos. Talvez se mudarmos para criatividade e entretenimento divertido que poderiam estar mudando as coisas e tornando a nossa marca distinta, especialmente do que é hoje. Sim, então a tendência número um é a que reponde melhor a essa questão.

Há uma nova pergunta de Laurie. Você concorda que as pessoas estão mais preocupadas em criar posts inúteis do que em conhecer seus próprios produtos e serviços para criar conversas mais significativas?

[Sarah Dawley — Hootsuite] Sim. Sim, Lori, eu concordo. Eu acho que isso vem de um fato muito compreensível. Acho que as pessoas estão sob, os profissionais de marketing estão sob muita pressão para gerar receita e gerar conversões e cliques. Você analisa todos os engajamentos, ou as métricas que usamos para medir o sucesso nas redes sociais, e elas geralmente se concentram nas métricas clássicas de marketing de desempenho. Coisas como cliques, impressões, engajamentos, visitas ao site, conversões e outras são coisas realmente importantes, com certeza.

Mas o que você perde quando se concentra inteiramente nessas coisas é esse ganho de longo prazo. Você perde a estratégia da marca, a diferenciação, a distinção que está mencionando, e acho que a chave para o marketing, seja nas redes sociais ou não, é encontrar aquele ponto ideal bem no meio entre o longo e o curto.

E há um trabalho fantástico sendo feito por aí, de Les Binet e Peter Field, os padrinhos do chamado “The Long and the Short of it”. E acho que isso se aplica muito às redes sociais porque você pode ficar realmente preso perseguindo os cliques, perseguindo os engajamentos e as impressões, quando a realidade é que as pessoas consomem muito mais nas redes sociais passivamente do que diretamente.

As pessoas estão consumindo socialmente mais passivamente do que postando, clicando ou engajando. Então, só porque você coloca algo lá fora e não acumula todas essas métricas imediatamente, não significa que as pessoas não viram, não sentiram, se é isso que você criou.

Se você criou algo para elas sentirem e pensarem, e algo que vai ficar com elas, da próxima vez que suas categorias de produtos forem mencionadas, elas imediatamente pensarão em sua marca.

Isso é ouro, é ouro e tem que ser trabalhado de mãos dadas com o marketing de performance. Obviamente, precisamos ganhar dinheiro, precisamos manter as luzes acesas, mas o social é um ótimo lugar para ambos os tipos de marketing se eles estiverem trabalhando muito estrategicamente juntos. E é aí que o pago versus orgânico também entra em jogo.

Eu sei que não fazia parte da pergunta, mas acho que é relevante. A publicidade paga é uma ótima maneira de simplesmente alcançar mais globos oculares. E então as mídias sociais orgânicas são muito importantes para a tal construção da comunidade e fortalecimento de relacionamentos que você já tem com seguidores e clientes existentes.

E acho que às vezes as pessoas quase trocam os dois ou pensam que o orgânico ainda é uma ótima maneira de alcançar mais globos oculares. E isso não é mais necessariamente o caso, estou apenas sendo estratégica. Qual é o seu curto? Qual é o seu longe? Respeitando a plataforma, respeitando o público que está nela. Parece muito simples, mas quando você olha de um nível tão alto, acho que é mesmo.

[Giuseppe Caltabiano — Rock Content] Vou com a próxima pergunta. Quais são seus queridos próximos passos? Há algo que você e sua equipe estão planejando agora? Alguma coisa que você queira compartilhar com nosso público?

[Sarah Dawley — Hootsuite] Sim, eu mencionei isso, acho que uma ou duas vezes, mas nosso grande relatório Digital 2022, que é lançado na próxima semana. E esse relatório, quando digo grande, não estou exagerando. São mais de 300 slides de dados sobre tudo, incluindo uso de rede social, detalhamento demográfico de cada plataforma social, comércio eletrônico, uso da Internet, publicidade social.

Ele cobre honestamente qualquer coisa que você possa pensar em termos do mundo digital. Chamamos isso de nível global do digital, e realmente há também relatórios de países específicos. Então, quase qualquer país tem sua própria versão desse relatório. Então é um recurso incrível. E sim, sai na quarta-feira, 26 de janeiro, que é menos de uma semana a partir de hoje.

[Giuseppe Caltabiano — Rock Content] Perfeito. Como estrategista de conteúdo e especialista em rede social, qual é o conselho que você gostaria de dar, um conselho muito geral, aos profissionais de marketing e profissionais que estão participando da sessão de hoje?

[Sarah Dawley — Hootsuite] Acho que falamos muito nisso. Esses temas que continuaram surgindo a partir da criatividade e do trabalho para chamar a atenção de quem você está tentando atingir, mas acho que algo que aprendemos, juntamente com tendências sociais e montando aquele ótimo microsite que fizemos com o Rock Content, é a importância de fornecer valor e storytelling.

E então o que fizemos este ano foi desbloquear o relatório. Normalmente, mantemos nosso relatório de tendências sociais bloqueado. E nós desbloqueamos muito dele. Então, se você for a esse microsite, poderá explorar nossas tendências sociais, mas criamos muitos conteúdos adicionais que continuam a história e fornecem mais valor, e é isso que colocamos em uma área bloqueada porque acreditamos que realmente merece esse tipo de tratamento do ponto de vista do marketing de conteúdo.

Então, acho que foi uma grande lição para mim, porque é assustador lançar seu trabalho no mundo quando normalmente você estava, com certeza, querendo receber um lead em troca.

Mas, o que estamos vendo é que estamos ganhando a confiança das pessoas, dando a elas mais conteúdo antecipadamente e, em seguida, ganhando os leads. Então, novamente, voltamos ao trabalho duro para ganhar a atenção, ganhar o lead, ganhar os endereços de e-mail das pessoas porque você precisa dar a elas algo que será valioso e valerá o tempo delas, não apenas bloqueando tudo. Então, essa foi uma ótima experiência e uma boa lição para mim, e algo que ainda não fiz na minha carreira. Então isso tem sido ótimo.

[Giuseppe Caltabiano — Rock Content] Esse é um ótimo insight. Obrigado, Sarah. Você vê que não há outras perguntas, então acho que podemos encerrar agora, Sarah. Muito obrigado. Foi divertido. Foi realmente um prazer. Obrigado por encontrar um tempo para estar conosco e compartilhar suas ideias. Obrigado também à equipe da Hootsuite. Qual é a melhor maneira de entrar em contato com você e fazer o download do relatório?

[Sarah Dawley — Hootsuite] Sim, quero dizer que qualquer um pode me seguir no Twitter ou LinkedIn apenas no @SarahDawley. O relatório da Hootsuite pode ser encontrado aqui, mas se você for à página da Hootsuite, tenho certeza de que poderá encontrá-lo ou apenas pesquisar as tendências sociais da Hootsuite, e seremos a primeira coisa que você verá. Então, vá explorar e baixar os dados da pesquisa. Como mencionei, esse é um ótimo complemento para o relatório, onde você pode ver todas as perguntas da pesquisa divididas. Essa é uma ótima maneira de realmente se aprofundar um pouco mais nos dados.

[Giuseppe Caltabiano — Rock Content] Perfeito, perfeito. Obrigado, Sarah. Acho que nossa equipe de conteúdo postou o link no chat público, então você poderá ver o link e fazer o download diretamente de lá.

[Sarah Dawley — Hootsuite] Vocês são os melhores.

[Giuseppe Caltabiano — Rock Content] Obrigado mais uma vez. Obrigado a todos os presentes. Obrigado por estar conosco neste novo episódio de nossas Jam Sessions. Obrigado a todos os participantes. Tenha um ótimo dia e um ótimo resto de semana. Obrigado.

Conteúdo Extra:

Marcas obtendo resultados com criadores de conteúdo

Conforme mencionado por Sarah Dawley na Tendência nº 1, as marcas estão atualmente usando os criadores para obter resultados expressivos em várias plataformas. A Rock Content já abordou esse tema aqui no blog, onde mostramos alguns exemplos de marcas que utilizaram os criadores como estratégia para aumentar o reconhecimento da marca e ainda coletar mais receita.

Instagram e TikTok têm páginas dedicadas mostrando cases de sucesso de marcas que fizeram parceria com criadores em suas plataformas. Todos os cases estão repletos de números que mostram as reais conquistas que as marcas obtiveram com essa estratégia. Vale a pena conferir.

Cases no TikTok

Cases no Instagram

Peloton e a comunidade

Sarah mencionou a Peloton como uma das marcas de maior sucesso que conseguiu criar uma comunidade ativa e apaixonada em torno de seus produtos. Esse sucesso veio principalmente porque a empresa promove um estilo de vida de saúde e bem-estar, em vez de apenas depender da temática fit e falar de condicionamento físico. Quando você realmente se preocupa com o bem-estar de seus clientes, eles têm orgulho de fazer parte da sua marca.

As pessoas já criaram um canal no Reddit para discutir tudo sobre a Peloton. No momento, existem mais de 275 mil pessoas lá. Além disso, há um Fórum da Peloton online também, onde as pessoas falam sobre seus produtos, dão dicas para um melhor desempenho e discutem notícias gerais sobre a empresa.

Gucci e Roblox

Uma bolsa virtual vendida por mais dinheiro do que a real? Bem, isso aconteceu no Roblox, um jogo online e sistema de criação com mais de 200 milhões de jogadores mensais. Gucci, a famosa marca de moda de luxo, criou uma experiência imersiva dentro do jogo (usando o sistema de criação da Roblox) imitando o Gucci Garden, um verdadeiro espaço multimídia localizado em Florença, Itália.

Pois bem, em maio do ano passado, a empresa organizou uma exposição online dentro do Gucci Garden e vendeu uma versão digital da “Dionysus Bag with Bee” por 475 Robux, a moeda do jogo. Essa quantia equivalia a USD $6, um preço justo para um produto único, mas virtual, limitado ao Roblox.

Mas, como você pode vender e comprar produtos diretamente de outros players, pessoas começaram a oferecer a bolsa por preços muito altos. Enquanto muitos jogadores recusaram a oferta, um comprou a bolsa por 350.000 Robux, o equivalente a USD $ 4.115. Isso é quase USD $ 800 mais caro do que a bolsa de verdade, que custava USD $ 3.400 na época.

Isso mostra o quão aquecido está o comércio dentro das plataformas sociais e como ele pode se tornar um dos principais lugares para as pessoas comprarem coisas — reais ou virtuais.

Se você quiser se aprofundar nas cinco tendências do relatório Hootsuite, confira agora o Social Media Trends 2022 completo, que é gratuito e aberto a todos!

The post “As marcas precisam agir como pessoas nas redes sociais para terem sucesso”, diz gerente de conteúdo da Hootsuite appeared first on Rock Content – BR.

Fonte do artigo:

Rock Content – BR

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Leia Também

Postagens relacionadas em nosso Blog sobre Design, SEO, Marketing e Tecnologia.