E-mail: [email protected]   |   Telefone: (41) 99521-8611

Suporte 24/7

Ignore o Google e satisfaça o usuário: a grande mudança no mundo do SEO finalmente chegou
25 de janeiro de 2022

A formalização do adeus aos velhos tempos

Se você, como eu, faz SEO há mais de 10 anos, provavelmente tem boas lembranças dos “velhos tempos”. A idade de ouro em que poderíamos nos gabar de ser mais astutos que o Google para nos posicionarmos em primeiro lugar nas páginas de resultados.

O Google era menos sofisticado naquela época.

Como o Coringa e o Batman, jogamos um jogo aparentemente interminável de gato e rato, encontrando maneiras criativas de “enganar o sistema” ou interpretar as regras do Google a nosso favor.

Naquela época, conseguíamos obter as melhores posições nas SERPs e o usuário final (o ser humano real que procurava o conteúdo que queríamos posicionar) era apenas um dado secundário.

Devo confessar que também sou culpado disso.

Em 2012, antes de fundar a Rock Content, meu blog tinha mais de 1,3 milhão de sessões. Publicava mais de 1.000 artigos por mês.

A qualidade desses itens era questionável. Eu tinha várias versões de um único tutorial “Como fritar um ovo”, todas elas com mais de 500 palavras… não me orgulho disso.

As coisas são muito diferentes agora. Vamos ver o que mudou desde então!

A agenda oculta não tão secreta: o que o Google tem nos dito o tempo todo

Durante décadas, as práticas de SEO foram fortemente influenciadas por um foco em enganar bots, criando truques e fórmulas complexas para o sucesso. Antes de 2011, tudo isso era possível porque o Google não era “muito inteligente”.

Com o tempo, o Google provou que estávamos errados. Na verdade, ele se tornou muito inteligente e, toda vez que atualizava seus algoritmos, havia uma mensagem não tão sutil nas entrelinhas:

— Ignore-me. Concentre-se na conexão humana.

Reserve um momento para sair dos detalhes granulares e ver a imagem completa das atualizações principais mais prolíficas desse mecanismo de pesquisa. Vamos decodificar o que ele estava realmente nos dizendo:

2011: O Google nos disse para priorizar conteúdo rico e valioso com o lançamento do Panda.2012: O Google nos disse para parar de usar palavras-chave como recheio e estratégias de backlinks artificiais com o lançamento do Penguin.2013: O Google nos disse para considerar a intenção de pesquisa do usuário com o lançamento do Hummingbird.2014: O Google nos disse para pensar nas pessoas localmente com o lançamento do Pigeon.2015: O Google nos disse para ir onde os usuários estão e tornar os sites compatíveis com dispositivos móveis com o lançamento do Mobile.2015: O Google nos disse para entender melhor nossos usuários e tornar o conteúdo relevante com o lançamento do RankBrain.2017: O Google nos disse para parar de ocultar conteúdo centrado no cliente com anúncios intersticiais intrusivos.2018: O Google nos disse para considerar as necessidades e perguntas reais dos usuários com o lançamento do BERT.

Por mais de uma década, focamos nos detalhes para enganar o algoritmo, mas com o tempo, deveríamos ter aprendido a maneira atual de ser bons SEOs:

Ignore o Google. Satisfaça os usuários.

Olhando para trás, não é nenhum segredo ou surpresa que o Google tenha planejado isso o tempo todo.

O buscador vem aperfeiçoando sua interpretação da consciência humana e se transformando para focar no usuário e no ser humano. Ele também deve se adaptar para sobreviver, caso contrário, os resultados das buscas não serão tão valiosos.

O Google está forçando todos nós a nos afastarmos dos detalhes técnicos das atualizações de algoritmos e nos concentrarmos nas necessidades detalhadas de pessoas reais.

Ignore o Google. Satisfaça os usuários.

Como ignoramos o Google e satisfazemos os usuários?

As mentes por trás do Google forçaram os profissionais de marketing e SEO a mudar suas mentalidades e estratégias. Tornou-se essencial começar a pensar mais como especialistas em conteúdo, capazes de construir melhores informações para o usuário final.

Agora, precisamos realmente nos tornar autoridades em espaços de marketing, em vez de apenas pensar como hackers.

O Exemplo de Autoridade

Prática cancelada: usando tags ocultas para aumentar um número de autoridade e outras práticas desatualizadas

Lembra da época em que tínhamos a “rel author tag”? Simplesmente inseríamos a tag e pronto.

Essa tag foi criada para conectar um autor a trabalhos publicados em outros sites. Ajudou o Google a entender o autor como uma entidade e mostrar seus rostos na SERP (sinto falta disso).

No entanto, os visitantes não conseguiam ver a tag; seu único propósito era ser lido por máquinas, não por humanos. Nenhum valor de autoridade era adicionado ao usuário final.

Isso parece uma técnica estranha para usar agora em 2022, não é? O Google não é inteligente o suficiente para entender quem é o autor de um artigo?

A resposta é sim, o Google agora é inteligente o suficiente.

Melhor prática para 2022: usando E-A-T para mostrar autoridade real

Vamos comparar essa prática cancelada de “rel author tag” com um dos acrônimos mais importantes de hoje no mundo do SEO: E-A-T (Expertise, Authoritativeness, and Trustworthiness).

O Google vem dando muito mais atenção ao E-A-T em seu algoritmo desde 2018. No entanto, ao contrário de táticas mais antigas como “rel author”, não há uma tag específica, ajuste técnico ou mesmo informações específicas sobre como você pode aumentar o E-A-T.

Você não consegue implementar o E-A-T apenas adicionando algum código.

Você deve, entre outras coisas, identificar os autores na página e vincular ao conteúdo publicado de uma maneira que ajude o leitor. O Google vai descobrir o resto.

Como usar o E-A-T

O E-A-T determina essencialmente o valor de um site pela qualidade de seu conteúdo, a autoridade de seus autores e a confiabilidade da página.

Seguir as melhores práticas atuais de E-A-T pode significar a diferença entre as melhores e as piores posições.

Isso é especialmente importante nos sites Your Money, Your Life (YMYL) que publiquem conteúdo sobre finanças, governo, jurídico, compras, saúde, segurança e outros sites com tópicos que possam ter um impacto negativo na qualidade de vida.

A única coisa que o Google nos pede é que criemos um bom conteúdo e que nossa presença online mostre que somos especialistas em um tema específico.

O Google não fornece uma lista de verificação específica do que fazer, mas algumas práticas recomendadas atuais incluem:

fornecer um perfil completo e preciso do autor com links para perfis sociais;entender a intenção do usuário de criar conteúdo relevante;obter backlinks e menções na mídia;implementar corretamente o protocolo HTTPS;ter informações relevantes e de fácil acesso, como um endereço, uma página de política de privacidade e uma página de termos e condições.

Essas práticas recomendadas atuais não apenas ajudam a informar o E-A-T, mas também têm um impacto visível na percepção do público sobre seu conteúdo e marca.

Os velhos hábitos e técnicas que se preocupavam apenas com a felicidade do Google não são mais relevantes.

A mudança na experiência do usuário

À medida que continua a pensar na experiência humana, o Google espera que bons sites sejam exibidos de maneira rápida e adequada em computadores e dispositivos móveis.

Assim como no E-A-T, não existe uma lista de boas práticas de computação, o único segredo é mudar nossa mentalidade e tentar pensar como nossos visitantes humanos.

Felizmente, o Google fornece informações para ajudar você a entender em que trabalhar.

Atualização da experiência do usuário: como ter certeza de que tenho um site rápido?

No momento, a experiência do usuário é medida principalmente pelo Core Web Vitals, que pode ser encontrado em Experiência do Usuário no Google Search Console.

Lá você pode monitorar o desempenho do seu site, com base em como o Google o percebe do ponto de vista humano. Isso pode servir como um guia para o que corrigir.

No momento, não importa como você resolva esses problemas, desde que tenha pontuações altas na categoria “Good”.

Atualização da experiência do usuário: AMPs sim ou não?

As Accelerated Mobile Pages (AMPs) são uma maneira fácil de otimizar a experiência do seu site para celular. Ativar AMPs em seu site pode servir como uma solução rápida para dar ao Google a percepção de um site com velocidade e renderizado corretamente.

A implementação de AMPs é uma questão de escolha, embora alguns anos atrás parecessem quase obrigatória, as AMPs nunca foram — e ainda não são — exigidas.

Na Rock Content, por exemplo, decidimos parar de usar AMPs e investir na otimização do nosso site globalmente.

Não tivemos nenhum impacto negativo em nosso tráfego, nada mudou para nossos visitantes e nosso site ficou muito mais fácil de gerenciar sem as páginas duplicadas.

Assim como no E-A-T, o Google nos pediu para mudar nossa mentalidade: para obter melhores resultados, focamos nossa atenção em melhorar a experiência do usuário em vez de apenas olhar para a tecnologia que estamos usando.

Se você obtém boas pontuações em seu Core Web Vitals, significa que está indo bem!

2022 e além

Todas as mudanças que vimos nos últimos dois anos nos levaram até onde estamos agora:

Ignore o Google. Satisfaça os usuários.

Vimos em primeira mão que, quando você pensa primeiro no usuário, o Google encontra seu valor, independentemente do método de implementação utilizado.

Com uma inteligência artificial extremamente avançada que já está sendo utilizada pelo Google, tentar enganá-la é inútil.

O que importa é a qualidade das respostas do seu conteúdo à intenção do usuário, juntamente com uma ótima experiência do usuário.

Estudo de caso

A prova dessa mudança de mentalidade está na receita do bolo.

Prática cancelada: conteúdo criado apenas em torno de palavras-chave de alto nível

Não estamos mais criando centenas dos mesmos posts [fritando ovos], cada um com um ovo de cor diferente, na tentativa de enganar o “antigo Google”.

O “antigo Google” se foi.

O Google agora sabe que [ovos vermelhos] e [ovos brancos] ambos são [ovos]; ele marcará facilmente esses conteúdos como spam. A densidade de palavras-chave não é mais a principal forma de classificação.

Práticas recomendadas para 2022: usando E-A-T e experiência do usuário centrada no ser humano para criar conteúdo significativo

A Rock Content se propôs a classificar para um termo central muito específico quando criamos nossa publicação de dados de negócios. Esse termo era [dados de negócios].

No entanto, em vez de classificar apenas para o nosso termo principal, acabamos classificando também para termos e frases de intenção completamente diferentes do nosso plano original.

Esta postagem acabou sendo um dos três principais resultados para palavras-chave que não esperávamos classificar, como [dados para empresas] e [o valor dos dados para empresas].

O que aconteceu?

Nossa equipe criou um artigo robusto que respondeu a uma série de consultas interconectadas sobre um tópico. O conteúdo ajudou a responder a perguntas profundas dos leitores.

O Google, que agora entende a intenção do usuário, a experiência do usuário e as consultas de tópicos, viu vários marcadores de alta qualidade em nosso site. Ele também reconheceu respostas centradas no ser humano em inúmeras perguntas sobre diversos tópicos.

O Google não é a única coisa que mudou; também mudamos nossa definição de conteúdo de qualidade.

A conclusão chave

Se você tiver que escolher entre todas as luzes verdes do seu plugin Yoast dentro do WordPress ou informações mais claras e organizadas para o usuário, não hesite: escolha o usuário.

Como profissionais de marketing, sabemos muito mais sobre nossos clientes potenciais do que sobre um plugin com regras não humanas.

O Google pensa como um ser humano e devemos fazer o mesmo.

Não quero dizer que podemos ignorar completamente o Google para fazer um ótimo SEO. As otimizações técnicas são fundamentais e devemos continuar a fazê-las.

No entanto, eles não são a principal força motriz. Vemos as melhorias técnicas como uma forma de entregar o mais importante, o conteúdo atual, da melhor maneira possível.

Minha previsão

2022 será o primeiro ano em que será realmente possível fazer um bom SEO simplesmente pensando no usuário final e deixando o Google para segundo plano.

E isso, meu amigo, é o que é um bom marketing.

Este artigo foi publicado originalmente no ebook do Search Engine Journal “SEO Trends 2022“. É uma leitura incrível, faça o download agora mesmo!

The post Ignore o Google e satisfaça o usuário: a grande mudança no mundo do SEO finalmente chegou appeared first on Rock Content – BR.

Fonte do artigo:

Rock Content – BR

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Leia Também

Postagens relacionadas em nosso Blog sobre Design, SEO, Marketing e Tecnologia.