E-mail: [email protected]   |   Telefone: (41) 99521-8611

Suporte 24/7

Guia de Black Friday para 2021: aprenda todas as técnicas para vender mais
26 de novembro de 2021

Uma data que movimenta bilhões de reais e gera milhões de pedidos merece sua atenção. A Black Friday é uma das principais datas do varejo, especialmente no e-commerce. Por isso, se você quer vender mais nesse período, precisa planejar suas estratégias de marketing digital.

Poucas datas sazonais têm o poder da Black Friday. Mundialmente conhecida, ela faz as pessoas virarem a noite à espera das ofertas, enquanto as lojas preparam suas equipes para um dia inteiro de vendas e milhares de acessos ao site, que já começam na madrugada.

Para os consumidores, é a melhor oportunidade de aproveitar descontos que não se veem em nenhum outro momento do ano. Para as empresas, é hora de vender mais, liberar o estoque e fazer caixa antes do fim do ano.

Neste guia completo sobre a Black Friday, vamos explicar tudo sobre essa data e como aproveitar o período para aumentar suas vendas. Acompanhe agora!

Black Friday: como tudo começou?

A Black Friday é uma data comercial que surgiu nos Estados Unidos. É marcada sempre para a sexta-feira posterior ao Dia de Ação de Graças, que é um dos feriados mais importantes para os norte-americanos, celebrado como um dia de gratidão— uma tradição da época de colônia inglesa.

O Thanksgiving Day acontece sempre na última quinta-feira do mês de novembro. Portanto, a Black Friday é sempre na última sexta-feira de novembro. Em 2021, essa data cai no dia 26 de novembro.

Essa proximidade com o Dia de Ação de Graças ajuda a explicar a origem do movimento que se tornou uma das principais datas do varejo no ano.

Acredita-se que a expressão “Black Friday” era usada por policias na Filadélfia, em meados da década de 1960, que se referiam ao trânsito caótico que tomava a cidade após o feriado. Enquanto isso, os comerciantes aproveitavam o movimento acentuado para vender.

O aquecimento das vendas nesta data também se explica por uma tradição mais antiga. Por volta do final do século 19, os lojistas costumavam iniciar a temporada de vendas de Natal somente após o Dia de Ação de Graças.

Então, ao final dos desfiles do feriado, o Papai Noel aparecia e indicava que a temporada de festas — e, claro, de compras também — havia começado. Assim, as vendas no dia posterior ao Dia de Ação de Graças eram sempre aquecidas.

Desfile de Ação de Graças, que culmina com a chegada do Papai Noel e o início da temporada de vendas de fim de ano (Fonte: NBC News)

Por muito tempo, o termo Black Friday se restringiu à Filadélfia. Foi somente a partir dos anos 1990 que a expressão se consolidou e que a última sexta-feira de novembro se tornou uma das principais datas do varejo.

A Black Friday também foi sendo adotada em outros diversos países do mundo. No México, por exemplo, a data se transformou em um fim de semana de compras, conhecido como “El Buen Fin”, que termina na segunda-feira em que se comemora a Revolução Mexicana.

No Brasil, não há tradição de celebração do Dia de Ação de Graças ou qualquer data comemorativa no final de novembro. Mas isso não impediu o país de adotar a tradição das compras.

Em 2010, ocorreu a primeira edição da Black Friday no Brasil, com foco no e-commerce. Promovido pelo site Busca Descontos, o evento contou com cerca de 50 lojas do varejo nacional, como você pode ver nesta notícia da época.

Ano a ano, esse número viria a aumentar vertiginosamente, até o momento atual em que milhares de lojistas participam da data.

A explosão de vendas, por outro lado, já despertou reações. Embora a Black Friday contribua para o faturamento do comércio, a data também desperta gatilhos de consumo, que podem levar a compras impensadas, gastos desnecessários e descartes que agravam problemas ambientais.

Por isso, muitas instituições estimulam o consumo consciente durante esse período, de maneira que os consumidores comprem aquilo que realmente precisam.

Fonte: Instituto Akatu

Como a Black Friday funciona?

A Black Friday é um dia inteiro de ofertas com descontos expressivos. O apelo é tão grande que a movimentação dos consumidores já começa na virada do dia e invade a madrugada. Muitas vezes, as melhores ofertas já desaparecem nas primeiras horas da manhã.

Essa data é a oportunidade dos lojistas de liberar o estoque de produtos que estão parados e iniciar o período de vendas de fim de ano com caixa positivo. Mesmo com a margem de lucro reduzida, devido aos descontos agressivos, os lojistas podem vender em grande volume, garantir um bom faturamento e ainda atrair novos clientes para a loja.

Black Friday além da sexta-feira

A Black Friday acontece sempre na última sexta-feira de novembro. Porém, a data é tão marcante que já se estendeu.

Atualmente, os lojistas aproveitam todo o período — antes, durante e depois da sexta-feira — para promover as vendas. Muitas vezes, o termo Black Friday é usado até mesmo em outros meses do ano, devido ao gatilho de consumo que desperta nas pessoas.

Black November

Muitas marcas já começam as ofertas da Black Friday no início de novembro (ok, algumas começam até antes!). Elas tratam o período como um mês inteiro de descontos, que servem para aquecer os consumidores até a última sexta-feira de novembro.

Black Week

Na semana em que acontece a Black Friday, muitas marcas aproveitam o apelo da Black Week para lançar descontos desde a segunda-feira. Mais uma vez, essas ofertas servem para aquecer o consumidor até a sexta-feira.

Black Weekend

Depois de passar a sexta-feira vendendo, é hora de descansar, certo? Nada disso! As lojas também aproveitam o fim de semana para pegar aqueles clientes que não puderam aproveitar as ofertas na Black Friday.

Cyber Monday

Na segunda-feira seguinte à Black Friday, os descontos continuam! Mas, agora, o foco são as vendas online. A data também foi criada nos Estados Unidos, a fim de incentivar as vendas no e-commerce, quando elas ainda eram incipientes.

No início, os descontos eram direcionados a produtos eletrônicos. Hoje, porém, é mais uma oportunidade de aproveitar o impacto da Black Friday e estimular as vendas de tudo que é tipo de produto.

Como funciona a Black Friday no Brasil?

A Black Friday no Brasil já é um sucesso. Lançada em 2010 no país, essa data só cresceu em faturamento e número de pedidos a cada ano, o que mostra a disposição do consumidor brasileiro em aproveitar as ofertas.

Porém, os descontos das lojas no Brasil ainda passam por certa desconfiança…

A seguir, você vai entender melhor o cenário da Black Friday no Brasil e por que vale a pena aproveitar essa data para vender mais.

Dados da Black Friday no Brasil

Os dados da Black Friday no Brasil mostram que essa data é marcante para o comércio, especialmente o varejo online. Desde o início do mês de novembro, as ofertas já começam a pipocar nos emails e anúncios, com descontos — na maioria das vezes — expressivos.

O Movimento Compre & Confie realizou um levantamento sobre a Black Friday 2020 no Brasil. Considerando o período de quinta a segunda-feira, a data movimentou R$ 7,72 bilhões, um aumento de 27,7% em relação a 2019.

As principais categorias em número de pedidos no Brasil foram estas abaixo. Se você trabalha com esse tipo de produto, já sabe que tem boas oportunidades nas mãos.

Além disso, uma pesquisa da BigDataCorp mostrou que os percentuais de desconto na Black Friday tiveram uma média de 51,36%. Em 2019, o desconto médio foi de 42,59%.

O relatório Webshoppers traz outro dado interessante. Em 2019, a Black Friday apareceu como a principal data sazonal do e-commerce brasileiro, o que vinha se mostrando como tendência nos últimos anos.

Em 2020, no contexto da pandemia de coronavírus, o Dia dos Namorados apareceu à frente, mas a Black Friday vem logo em seguida.

A Black Friday no olhar do consumidor brasileiro

Os números mostram que os consumidores estão aderindo cada vez mais à Black Friday. Em 2020, um total de 6,77 milhões de consumidores compraram no período promocional, sendo que 585 mil eram novos compradores.

Mas o que esperar da Black Friday em 2021? Quais são as expectativas do consumidor?

De acordo com a InfoMoney, um levantamento da Méliuz mostrou que 72% dos consumidores brasileiros pretendem fazer compras na Black Friday 2021.

Porém, a intenção em relação às categorias de produtos mudou: em 2020, ano de pandemia, as pessoas estavam focadas em itens de necessidade; já em 2021, itens de desejo estão na lista, o que tende a aumentar o ticket médio.

Porém, ainda há certa desconfiança. Entre os consumidores indecisos, 56% declarou que não sabe se vai comprar na Black Friday porque não sabem se os descontos vão realmente valer a pena.

Uma pesquisa do Reclame Aqui ressalta esse comportamento do consumidor. Do total de consumidores que não pretendem comprar na Black Friday, 64,4% afirmam que o motivo é que não existem “promoções de verdade”. Outros 15,4% acham que os preços estão muito caros devido à pandemia.

“Black Fraude” e “tudo pela metade do dobro”

A pesquisa do Reclame Aqui mostra que 48,8% dos entrevistados definem a data como “Black Fraude”. O trocadilho mostra que a Black Friday ainda tem certa descredibilidade no país.

No Brasil, infelizmente, a data ficou marcada como um período em que os lojistas se aproveitam dos consumidores com descontos enganosos. Por aqui, uma expressão virou meme: “tudo pela metade do dobro”.

Isso significa que os lojistas costumavam subir o preço dos produtos perto da data promocional. E, na sexta-feira de Black Friday, anunciavam descontos agressivos que apenas deixavam o produto no seu preço normal (ou até mais caro que o normal…). Esse tipo de atitude marcou as primeiras edições da Black Friday no Brasil, mas ainda acontece.

Uma pesquisa realizada pelo IBEVAR mostrou que alguns produtos, como home theaters e freezers, ficaram até 70% mais caros em novembro de 2020:

Diante desse cenário, surgiram algumas iniciativas para garantir uma melhor experiência ao consumidor na Black Friday e evitar que a data seja associada a fraudes.

O selo Black Friday Legal, por exemplo, é concedido pela Câmara Brasileira da Economia Digital a empresas que aderem ao código de ética da iniciativa.

Já a plataforma Black Friday de Verdade reúne lojas que se comprometem a oferecer descontos reais e condições seguras e transparentes ao consumidor. Além disso, promove o Prêmio Black Friday de Verdade, em reconhecimento às lojas que se empenham em adotar boas práticas.

Portanto, o consumidor brasileiro ainda tem um pé atrás com a Black Friday, mas o e-commerce brasileiro tem se organizado para combater fraudes e práticas maliciosas. Muitos lojistas já entenderam a importância da transparência com o consumidor e já sabem como aproveitar a data da melhor forma.

Ainda vale a pena investir na Black Friday?

Diante da desconfiança do consumidor, será que vale a pena investir na Black Friday? É claro que sim! Essa é uma das melhores oportunidades do ano para vender em grande volume e gerar receita para a sua loja.

Porém, você precisa encarar a data com descontos reais, uma boa campanha de divulgação e um bom atendimento ao cliente. Se as expectativas do consumidor são baixas, maiores são as chances de surpreendê-lo com ofertas realmente imperdíveis.

A seguir, vamos mostrar alguns cases de empresas que fizeram jus à Black Friday nos últimos anos e tiveram ótimos resultados. Confira:

Magazine Luiza – Compra no escuro

A Magazine Luiza criou uma das melhores campanhas de Black Friday no Brasil, que gerou um grande brand awareness e mobilizou os consumidores nas redes sociais.

Em 2018, a empresa convidou os consumidores a fazerem uma compra no escuro. Eles compravam um produto sem saber o que era, com a garantia de que ele valeria, pelo menos, o valor pago e de que poderia ser devolvido em 7 dias, conforme a legislação brasileira. 

Quem desse sorte poderia receber em casa um produto com preço muito mais baixo que o normal — um notebook por R$ 99, por exemplo, como aconteceu durante a promoção.

Fonte: Effie

Ricardo Eletro – Dos Estados Unidos para o Brasil

A Black Friday da Ricardo Eletro de 2013 foi um dos maiores sucessos da história da empresa. A data marcou o dia de maior número de vendas dos 24 anos da empresa até então.

A campanha contou com vídeos promocionais que apelavam para o argumento de que a Ricardo Eletro traria os preços dos Estados Unidos para o Brasil. Além disso, brincavam com a pronúncia da Black Friday pelo dono da empresa, que ajudou a gerar conexão com o público. 

Abaixo você pode ver um dos teasers lançados para anunciar a Black Friday:

Dobra – Black Friday com impacto social

A Dobra adotou uma abordagem diferente para estimular as vendas na Black Friday. Em vez de focar apenas nas vendas, a empresa pensou também em impacto social.

Por isso, anunciou a sua campanha de Black Friday em 2020: ao comprar uma carteira, o cliente ganharia outra carteira de graça. O diferencial estava na contrapartida: isso só aconteceria se ele fizesse uma doação para algum projeto social. Ao final, a campanha arrecadou mais de R$ 63 mil para diversos projetos sociais do país.

O que é uma boa campanha de Black Friday?

Agora que já mostramos que vale a pena aproveitar a Black Friday, vamos começar a entender como montar uma estratégia poderosa para essa data.

A seguir, trouxemos os pilares de uma boa campanha de Black Friday, ou seja, os pontos que precisam estar na sua estratégia para ter sucesso nas vendas. São cinco pilares:

Descontos expressivos

Na Black Friday, não tem como fugir: o que chama atenção e atrai clientes são descontos expressivos. Eles precisam ser atrativos para fazer a pessoa comprar naquela data — afinal, se forem descontos baixos, ela pode comprar em qualquer outro período do ano (ou nos concorrentes…).

Divulgação estratégica

Também não se faz uma boa campanha de Black Friday sem divulgação. Você precisa chegar até os consumidores para mostrar o que tem de bom para oferecer nessa data.

Mas o marketing precisa ser estratégico para alcançar pessoas mais dispostas a comprar, além de definir um orçamento coerente com a previsão de vendas e faturamento do período.

Alinhamento interno

Uma boa campanha de Black Friday precisa ser bem alinhada internamente. Isso significa que é preciso integrar toda a equipe nas estratégias, além de alinhar as definições com parceiros, fornecedores e transportadoras.

Esse alinhamento contribui para a experiência do cliente, que é outro ponto importante.

Experiência positiva

Um site que não carrega na Black Friday, um anúncio que mostra um desconto diferente do site, um produto vendido que está indisponível no estoque… Esse tipo de experiência estraga uma campanha de Black Friday.

Por isso, é preciso oferecer uma experiência positiva ao cliente e, com transparência, fazer apenas promessas que você possa cumprir.

Vendas em todo o período

Uma boa campanha de Black Friday não se limita apenas à sexta-feira. Muitos antes, o consumidor já está de olho nos preços e disposto a comprar.

A antecipação dos descontos, bastante adotada pelas marcas como “Esquenta Black Friday”, também ajuda a:

Evitar congestionamento no site na Black Friday;Testar a demanda dos consumidores por determinados produtos;Trabalhar com descontos menos agressivos em determinados produtos;Fazer o cliente se cadastrar ou baixar o app, em vez de deixar para o último dia.

Além disso, depois da Black Friday ainda há compradores remanescentes, que não conseguiram comprar o que queriam e que você também pode aproveitar.

Como criar uma estratégia de Black Friday que funcione?

Agora, vamos ver os principais passos da criação de uma estratégia que realmente funcione. São várias dicas estratégicas para a Black Friday, que vão desde o planejamento até a divulgação, para que a sua loja esteja pronta para receber os clientes e fazer muitas vendas. Acompanhe:

Planeje a Black Friday com antecedência

Para os lojistas, a Black Friday começa muito antes de novembro. Para algumas empresas, pode começar até um semestre antes.

É preciso ter tempo para estudar as demandas do mercado, as intenções de compra dos clientes, as campanhas anteriores, as estratégias dos concorrentes e, a partir daí, definir objetivos, metas e indicadores, traçar estratégias de marketing e alinhar processos internos.

Depois disso, ainda é preciso produzir todas as peças de divulgação, treinar a equipe e preparar o site. São vários pontos que você precisa planejar e encaixar nos prazos.

Integre toda a equipe

Na criação das estratégias de Black Friday, integre as equipes nas definições da estratégia. É importante que o pessoal de atendimento saiba quais produtos estão no foco da campanha de marketing e que o pessoal do financeiro saiba quais descontos estão sendo dados.

Essa integração, entre equipes e com o marketing, é essencial para tomar boas decisões estratégicas. 

Defina metas e KPIs

Como saber se você fez uma boa campanha? Ainda no planejamento, é preciso definir metas — claras e atingíveis — e indicadores, que mostrem se você conseguiu alcançá-las.

Na Black Friday, procure definir metas e KPIs diretamente relacionados a vendas e faturamento, como ROI e CAC, já que o objetivo nessa data é mesmo vender. Branding e engajamento podem estar na sua mira, mas não são o foco nesse período.

Entenda as demandas do consumidor

Em geral, o que mais chama atenção na Black Friday são descontos expressivos em produtos pontuais, não uma pequena redução de preços na loja inteira.

Então, é preciso identificar quais produtos os consumidores estão desejando mais. Aplicar descontos nesses itens pode levar muitas pessoas à sua loja. Para isso, você pode realizar pesquisas de mercado e observar seus clientes nas redes sociais, o que tende a gerar muitas informações sobre suas demandas e expectativas.

Negocie com fornecedores

A Black Friday exige descontos expressivos. Porém, muitas lojas não conseguem suportar tanta redução na margem de lucro.

Por isso, uma boa solução geralmente é recorrer à negociação com fornecedores, para que eles também reduzam o preço da mercadoria. Dessa maneira, o lojista não perde tanta lucratividade, mesmo com descontos agressivos.

Além disso, a negociação também pode abranger os parceiros de logística, a fim de garantir as entregas e, quando possível reduzir os prazos do frete. Isso pode ser determinante para a decisão de compra do consumidor.

Revise o seu estoque

A revisão do estoque é uma etapa essencial do planejamento da Black Friday. Você precisa saber quais produtos estão parados, quais têm pouca disponibilidade e quais estão em falta. 

Assim, é possível definir os produtos que devem receber maiores descontos, a fim de desencalhar o estoque, além de identificar quais você precisa repor para garantir disponibilidade aos compradores.

Prepare o site para a data

O site provavelmente é o seu principal canal de vendas na Black Friday. Então, você precisa levar os clientes até lá e oferecer a melhor experiência de compra.

Então, comece a preparar o site para a data:

Crie vitrines, destaques e uma seção especial para as ofertas da Black Friday;Otimize o site com técnicas de SEO que melhorem seu posicionamento no Google;Teste todo o processo de compra, tanto no mobile quanto no desktop;Revise os recursos de segurança do site para transmitir confiança ao cliente;Revise a capacidade de acessos e garanta a disponibilidade durante todo o período.

Mesmo que você antecipe algumas ofertas desde o início de novembro, a sexta-feira da Black Friday tende a demandar muito do seu site. Vários usuários podem acessar a loja virtual ao mesmo tempo, o que pode sobrecarregar o servidor.

Então, garantir a estabilidade do site, especialmente no principal dia de ofertas, é essencial — ou você pode perder minutos preciosos de vendas…

Prepare o atendimento

Todo o período da Black Friday tende a aumentar a demanda por atendimento ao cliente — antes, durante ou depois das compras.

Na sexta-feira, especialmente, vários clientes podem ter dúvidas e precisam de respostas rápidas para não perder as ofertas.

Por isso, prepare uma equipe de atendimento para dar respostas ágeis e eficientes aos compradores. É importante que os profissionais estejam por dentro de todas as estratégias e descontos para dar informações corretas.

Crie uma estratégia de divulgação

Pense na estratégia de divulgação para alcançar o público. Entenda que a concorrência na Black Friday é grande, o que tende a dificultar a visibilidade das suas publicações e aumentar os preços das mídias pagas.

Por isso, é interessante pensar em uma abordagem diferenciada na campanha, com um toque criativo ou com foco em produtos menos concorridos, por exemplo. Logo mais, você vai conhecer as principais estratégias de marketing digital para potencializar sua campanha na Black Friday.

Principais estratégias de marketing digital para Black Friday

Quer saber como atrair mais clientes e vender mais nesse período? Então, saiba agora quais são as principais estratégias de marketing para Black Friday, especialmente no digital:

Landing page

Uma das principais estratégias de marketing digital é criar uma landing page especial para a Black Friday. Lá você pode:

Aquecer seus clientes com ofertas antecipadas;Captar emails dos consumidores para criar uma lista de interessados;Explicar como o período promocional vai funcionar;Responder dúvidas comuns para transmitir confiança;Apresentar depoimentos de clientes como prova social.

Prefira criar uma URL que sirva para todos os anos (www.exemplo.com/black-friday), em vez de criar uma nova a cada ano. Isso ajuda a aumentar a autoridade da página e fortalecer o SEO.

Veja, por exemplo, a landing page da Mobly para a Black Friday:

Mídia paga

Campanhas de mídia paga são importantes na Black Friday. Afinal, você precisa garantir que os consumidores saibam dos seus descontos e cheguem até a sua loja. Então, os anúncios garantem que você alcance as pessoas do seu público-alvo.

Provavelmente você vai ter bastante concorrência. Mas você pode investir em produtos e palavras-chave com menos competição para direcionar suas campanhas. Além disso, vale a pena fazer testes A/B para saber quais anúncios tendem a otimizar seus investimentos.

Você pode criar anúncios de Facebook Ads, Instagram Ads, links patrocinados no Google, mídia display, YouTube Ads e, especialmente, o Google Shopping, que é focado em produtos e deve estar no seu plano de mídia.

Redes sociais

Nas redes sociais, você pode nutrir o interesse e desejo dos consumidores pelos seus produtos no período da Black Friday. Assim, eles já vão estar aquecidos para o período promocional. Os posts orgânicos, aliados aos anúncios pagos de redes sociais, conseguem potencializar a divulgação para um público que já acompanha a sua marca.

Email marketing

O email marketing é uma poderosa ferramenta para a Black Friday. Você pode usar mensagens de email segmentadas para divulgar ofertas a pessoas que já estão na sua lista e tenham interesse naquele tipo de produto.

Mas você também pode criar uma lista específica com interessados na Black Friday, que já demonstram maior disposição em comprar na data. 

Depois, ainda pode nutrir o relacionamento com os clientes que conquistar na Black Friday para mantê-los próximos da sua loja por mais tempo.

SEO

Alguns profissionais acreditam que SEO não serve para Black Friday, já que os resultados dessa estratégia costumam aparecer no médio ou longo prazo. Porém, se você se planejar e fizer os ajustes de SEO com antecedência, é possível, sim, rankear as páginas no Google a tempo.

Para otimizar o site, comece com uma auditoria que identifique os principais ajustes técnicos, como a velocidade de carregamento, a compatibilidade com dispositivos móveis e os rich snippets (dados estruturados de produtos, por exemplo, podem ajudar bastante na Black Friday).

Além disso, pesquise palavras-chave relacionadas aos seus produtos que orientem o marketing de conteúdo para Black Friday. Você pode produzir artigos de blog que falem sobre os produtos e direcionem para a compra. Assim, o site ganha mais uma fonte de tráfego orgânico.

Influenciadores

Parcerias com influenciadores também são poderosas na Black Friday. Você pode amplificar a divulgação das suas ofertas com personalidades que já têm um público fiel e engajado. Se você já tiver uma parceria com influencers, melhor ainda, pois a sua marca já é conhecida do público.

Um bom exemplo de ação com influenciadores foi realizado pela Shopee em 2020. A marca fez parceira com influenciadores digitais populares e divulgou uma landing page com os produtos favoritos deles, sempre com descontos para os clientes.

Remarketing

O cliente viu algum produto na sua loja, mas não comprou? Ainda dá para ir atrás dele e fazê-lo comprar o produto! Para isso, você pode investir no remarketing, que exibe anúncios aos usuários que interagiram com o seu site.

Essa publicidade pode aparecer no próprio dia da Black Friday e nos dias seguintes, de maneira que você recupere clientes perdidos e siga gerando vendas depois da data promocional.

Bônus: 4 dicas para vender mais na Black Friday

Ainda temos mais dicas para vender na Black Friday! Veja agora mais algumas ideias infalíveis para a sua campanha:

1. Crie uma lista de emails para a Black Friday

Com antecedência, comece a construir uma lista específica de interessados na Black Friday. Assim, você tem certeza que eles estão interessados nas suas ofertas e dispostos a comprar

Você pode coletar esses emails com pessoas que estão na sua lista principal e ainda divulgar para novos clientes, que ainda não compram na sua loja. Na landing page, é imprescindível ter uma caixa para cadastrar o email, mas você também pode divulgar a lista nas redes sociais, em posts de blog e até em anúncios pagos.

2. Crie uma contagem regressiva

Para gerar expectativa, crie uma contagem regressiva até a data da Black Friday ou do início das ofertas.

Você pode fazer isso na landing page, mas também nas redes sociais e até usar o sticker dos stories do Instagram que emite uma notificação ao usuário quando a contagem termina.

3. Promova vendas rápidas e limitadas

A Black Friday promove estimula muitas compras por impulso. Isso acontece quando a compra é acionada por um gatilho mental, que faz o consumidor agir inconscientemente.

Escassez e urgência são dois gatilhos que você pode despertar nos compradores para estimular a compra na sua loja. Para isso, uma boa ideia é promover vendas rápidas, com prazo limitado ou poucas unidades. Assim, o cliente tende a correr para não perder a oportunidade.

4. Faça listas de produtos

Listas de produtos ajudam a direcionar a atenção do consumidor. Em vez de ficar perdida em meio a tantos produtos e descontos, a pessoa consegue encontrar mais facilmente o que vale a pena comprar.

Essas listas podem aparecer em posts de blog (como no exemplo abaixo da Beleza na Web), nas redes sociais ou até mesmo na parceria com influenciadores, como no exemplo da Shopee que mostramos antes.

Enfim, agora você já sabe tudo sobre a Black Friday e como aproveitar a última sexta-feira de novembro para vender mais. O importante é entender a proposta da data, que é oferecer descontos expressivos, e criar uma campanha eficiente, sem perder de vista a experiência do cliente.

Agora, baixe o nosso ebook gratuito sobre Marketing Digital para a Black Friday, que ensina a montar uma estratégia poderosa para essa data. Aproveite!

The post Guia de Black Friday para 2021: aprenda todas as técnicas para vender mais appeared first on Rock Content – BR.

Fonte do artigo:

Rock Content – BR

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Leia Também

Postagens relacionadas em nosso Blog sobre Design, SEO, Marketing e Tecnologia.